Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Edição #132

Dezembro 11

Nesta edição

Sob a luz do Vitral

Esta edição da Continente encerra o ano de comemoração dos 10 anos da revista. Um feito celebrado ao longo dos meses e iniciado com a edição especial publicada em janeiro.

Trabalhamos com afi nco, neste 2011, para atingir as expectativas dos nossos leitores e inaugurar uma nova década bem-sucedida da publicação. Neste ano, tivemos a chance de realizar uma pesquisa qualitativa com ex-assinantes, assinantes, leitores e pessoas que não conheciam a revista. O resultado foi bastante positivo, pois pudemos ter clareza sobre de que forma temos acertado e, também, nos conscientizamos da recepção de nossas escolhas. O que a pesquisa apontou é que, a despeito de problemas pontuais, nosso público nos tem em alta conta. Não poderíamos ter recebido melhor presente.

Neste dezembro, mês associado desde sempre à Luz, lançamos uma proposta à repórter Danielle Romani: produzir um especial sobre a arte dos vitrais, técnica que usualmente nos remete ao ambiente sacro das igrejas e catedrais. Além de traçar um breve histórico, a reportagem traz informações sobre a escola que se instaurou no Recife, no início do século 20, a partir da chegada do alemão Heinrich Moser. A cada página, nas belas imagens produzidas por Leo Caldas, o leitor constatará que a capital pernambucana é umas das cidades brasileiras onde há grande acervo de vitrais, tanto em órgãos públicos, quanto em locais privados.

A atração pela beleza desses ornamentos é tamanha, que, antes das sessões do Cinema São Luiz, no Recife, o público costuma fotografar os vitrais que adornam a sala, feitos por Aurora de Lima, única discípula viva de Moser. Nessa reportagem, há ainda um perfi l de Marianne Peretti, artista que deu feição moderna à arte vitral, cuja obra mais emblemática está na Catedral de Brasília, projeto de Niemeyer.

Porém, merece destaque um fato: excetuando-se a obra de Peretti, hoje, a produção de vitrais é praticamente inexistente no Brasil. Há poucos interessados em aprender a técnica e um número reduzido de artistas aptos a ensiná-la. Esperamos que o material publicado chame a atenção para a situação. No mais, uma boa leitura e um ótimo 2012 para todos!

Leia

Publicidade

Destaques

Sumário