Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Edição #239

Novembro 20

Nesta edição

Basquiat e Clarice

Todos os que morrem precocemente deixam em nós a sensação de que falhamos em algum ponto, de que deixamos algo escapar. Com Jean-Michel Basquiat, somos lançados a sentimentos de frustração, lástima e raiva. A raiva, compartilhamos com o artista, quando lembramos uma resposta que ele deu numa entrevista desconfortável, como várias das que concedeu na sua curta vida de 27 anos. O entrevistador pergunta se existe raiva no seu trabalho. Basquiat responde que, claro que sim, o seu trabalho era 80% raiva.

E de que tinha raiva o artista que se tornou uma celebridade instantânea nas artes visuais, um artista negro, filho da classe média nova-iorquina, no meio de um luxento mercado de arte dominado por brancos e que conta na sua obra – a seu modo peculiar – as relações tensas entre negros e brancos, pobres e ricos, “realeza, heroísmo e ruas”, como ele gostava de enumerar? Podemos encontrar muitos motivos para a raiva de Jean-Michel.

Nesta edição, para homenagear esse artista que surge no final dos anos 1970, em grafites espalhados pelas ruas de Nova York, com frases enigmáticas escritas sob o nome de SAMO© (same old shit) e que morre em 1988 como um dos nomes com obras mais valorizados do mercado internacional, a editora da Continente Adriana Dória Matos e o artista visual Raul Souza criaram uma HQ que busca retratar o período em que Basquiat surge na cena artística nova-iorquina, uma cidade muito diferente da atual.

Assim como Jean-Michel, Clarice Lispector nasceu em dezembro, e faria 100 anos neste 2020. A atualidade – ou perenidade – da obra clariciana é tema de artigo de Jurandy Valença que trazemos também nesta edição, no qual elementos biográficos e bibliográficos são destacados e fundidos. Clarice, essa escritora e mulher que permanece em nós como fascínio e enigma, construiu uma obra que é toda indagação, imersão e reflexão, numa dicção própria, exemplar, daí a sua permanência.

Com Jean-Michel e Clarice, celebramos a força da vida e da arte.

Ilustração de capa: Raul Souza

Leia

Publicidade

Destaques

Sumário