Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Matéria Corrida

Darel 4/6

TEXTO José Cláudio

02 de Setembro de 2019

Litogravura 'Luz negra III', por Darel Valença

Litogravura 'Luz negra III', por Darel Valença

Imagem Reprodução

O drama dareliano está para além da carteira de identidade ou limites geográficos. Interessa-lhe o problema da maldade, do anjo decaído, da insensibilidade. Por mais que pinte corpos eróticos, ele é um pintor de almas, é um pintor de Cristos, de crucificados, de vias-sacras. Crucificação de que não abdica, crucifixo que reivindica para si, ainda que não se trate de fé religiosa. Mas se não é fé, é cultura religiosa, que vê o homem, e não os homens ou países ou raças que são circunstâncias e não lhe — ao homem universal, Cristo ou Darel — servem de desculpa. O homem para ele é um só e é a esse homem ético que ele chama à responsabilidade, olha nos olhos, acima ou através de quaisquer barreiras epistemológicas. Esse homem dareliano tem uma idade — adulto —; e um tempo — a eternidade —. Também classe para ele não conta — a não ser talvez no que tenha a ver com a miséria da alma, se é que tem —: mas de qualquer maneira será o caso isolado, e não a classe, que o toca; ou a classe toda ou todas as classes, mas sempre vistos os indivíduos, de um em um, como para Deus. Por isso acha arte social “careta”. O Diabo, vara toda concepção de classe. Darel considerará que a grande luta não é essa. E seu olhar duro estará ali, incorruptível, sob qualquer regime. O assunto é o pecado. No escuro do confessionário ninguém tem nome, época, cara ou classe. Não é nem o que o homem fez contra si ou seu semelhante. É o que fez contra Deus; em que ponto trocou a primogenitura por um prato de lentilhas, o reino por um cavalo, o eterno pelo temporal; em que ponto quebrou em si a semelhança com o Criador.

Na sua casa, em São Conrado, surpreendeu-me o atelier, ou melhor dito, abaixo do atelier, um compartimento de um metro quadrado — pelo menos foi o que me ficou na memória —, sem porta nem janela, sem espaço nem para botar uma cadeira de onde ele pudesse estirar o braço para pintar, onde pintava seus pastéis, de pé com a cara encostada no quadro, no ponto mais baixo do terreno total da habitação que poderia ser dividido em três planos: casa, atelier e masmorra: casa ampla, terreno amplo, mais para casa de fazenda do que de cidade, e atelier também de bom tamanho. “É aqui que eu me escondo”, ou “me tranco” — não lembro bem a expressão — “para pintar”, disse. Quase não cabíamos os dois naquele espaço, quase não dava para fechar a porta. Tela pregada na parede, fez menção de pintar, como se estivesse com um giz na mão, o punho retraído contra o peito como nos ensinam em colégio de padre a rezar o Confiteor: “mea culpa, mea culpa, mea maxima culpa”. Ele estava ali para depor diante do Absoluto. Como seus quadros, não estava em canto nenhum, senão diante de si próprio. E ia ali vertendo o mel ou o fel de suas imagens como quem defeca, como quem confessa, como quem vive e morre, como quem ora. “Por que ele e não eu?” — deverá perguntar-se —. “Por que a cipoada no lombo dele, e não no meu?” Para qualquer pessoa cristã, embora a cidade ensine a não escutarmos — nem sequer virar o rosto para olhar — a aflição de alguém que esteja sendo assassinado junto de nós, há o dever de nos pormos no lugar do outro, porque o outro para o cristão chama-se o próximo, e o próximo somos nós mesmos, sou eu. O rompimento com o próximo equivale a romper consigo mesmo. Se rompi com o que apanha, aderi ao que bate; entronizo-o em meu coração incrustando-o a mim, e a cada vez em que tento expulsá-lo, tenho de arrancar um pedaço de mim, cortar por baixo um pedaço da carne sã, sensível, junto com a podre da iniquidade, iniquidade esta com a qual somos obrigados a conviver sem sequer nos indignarmos; tendo, a cada dia, de nos sacrificarmos um pouco à podridão. Desculpem o tom de prédica de padre de Ipojuca — ou de Catende, se é que lá já teve algum padre —: mas onde nós, onde Cristo, nesse cotidiano despertar de Gregor Samsa, da Metamorfose de Kafka (um dos autores prediletos de Darel), transformado em barata?

Publicidade

veja também

José Carlos Viana, Olinda 1947-2019

Reynaldo Fonseca (Recife, 1925-2019)

Darel 6/6

comentários