Curtas

Livro traça história do cinema pernambucano

Publicação de Germana Pereira e Ernesto Barros, que cataloga e resgata produção audiovisual, tem lançamento nesta segunda-feira (6)

03 de Maio de 2024

FOTO Evelyn Soares / Divulgação

"Tivemos a ideia de escrever um livro que homenageasse o cinema pernambucano, que há 100 anos era a meca do cinema brasileiro, o período conhecido como Ciclo do Recife", afirma o crítico e curador Ernesto Barros, coautor, com a pesquisadora Germana Pereira, de História Ilustrada dos 100 anos do Cinema Pernambucano, livro que será lançado na segunda-feira (6), às 19h, no Cinema da Fundação do Derby. 

A publicação apresenta um panorama do audiovisual pernambucano, tendo como marco o longa-metragem Retribuição. Lançado em 1923, é considerado o primeiro filme de ficção feito no estado. Com 153 páginas recheadas de fotografias, muitas delas históricas, uma linha do tempo e um compilado bibliográfico, a publicação é da editora Tangram Cultural, com incentivo do Funcultura Audiovisual. 

De acordo com a organizadora Germana, a obra “é uma celebração visual, fruto de décadas de dedicação e pesquisa no campo audiovisual em Pernambuco, resultado da convergência de nossas trajetórias, o que nos permitiu explorar a diversidade da produção cinematográfica pernambucana”. 

O livro abrange do Ciclo do Recife (1923-1931), passando pelo Ciclo do Super 8 (entre 1970-1980), até o período mais profícuo, a partir dos anos 2000. Essa fase mais recente é representada por duas gerações de realizadores, sendo a primeira representada por Paulo Caldas, Marcelo Luna, Lírio Ferreira, Cláudio Assis, Clara Angélica e Hilton Lacerda, seguida por Marcelo Gomes, Kleber Mendonça Filho, Sérgio e Renata Pinheiro e Marcelo Pedroso, entre outros. 

"Nós trabalhamos nessa pesquisa como uma espécie de enciclopédia”, revela Ernesto Barros, responsável pelos textos. Ele, que é jornalista com extensa experiência em cobertura de festivais e crítica cinematográfica, lançou mão dessa experiência para a publicação. “Durante esses anos todos, fui um interlocutor de vários desses cineastas. Hoje a gente tem um cinema que produz muito, que tem voz própria", reflete. 

Com quatro décadas de atuação como repórter, crítico e programador de cinema, Ernesto Barros cobriu festivais nacionais e internacionais. Na Gerência de Audiovisual da Prefeitura do Recife, foi curador por três anos dos dois cinemas municipais, o Parque e o Apolo, e organizou o Concurso de Roteiros Ary Severo / Firmo Neto, Festival de Vídeo de Pernambuco e Panorama Recife de Documentário, entre outros. Desde 2017, integra a equipe do Cinema da Fundação e da Cinemateca Pernambucana, na Fundaj. Nesta entrevista ao site da Continente, o jornalista fala sobre os bastidores da realização de História Ilustrada dos 100 anos do Cinema Pernambucano.



CONTINENTE:
Como surgiu o projeto do livro?
ERNESTO BARROS: Há um bom tempo, eu e Germana Pereira, da produtora Tangram Cultural, pensávamos em propor algum projeto para o Funcultura. No ano passado, tivemos a ideia de escrever um livro que homenageasse o cinema pernambucano, que há 100 anos era a meca do cinema brasileiro, o período conhecido como Ciclo do Recife. A partir desse marco, surgiu a ideia de contar essa história apoiada em fotografias dos filmes e de outros eventos marcantes do decorrer desse século de atividades ligadas ao audiovisual no Estado.

CONTINENTE: Quais os critérios que vocês usaram para selecionar os filmes?
ERNESTO BARROS: De certa maneira, grande parte dos filmes já fazia parte de um cânone - dos anos 1920 até 2010, tínhamos uma certa clareza dos títulos. Ainda estávamos na era dos ciclos - Ciclo do Recife, do Super8 e parte da retomada - e dava para perceber mais claramente os destaques. Com o crescimento da produção, a partir de 2010, a coisa se complicou mais e tivemos que fazer escolhas, observando menos os filmes isoladamente e mais as tendências que foram surgindo a partir de uma diversidade maior na produção, que hoje está menos descentralizada, como também em relação às questões de gênero, étnicas e raciais, por exemplo. A produção de cinema é cada dia mais plural e isso está presente na escolha dos filmes desse período riquíssimo do nosso cinema.

CONTINENTE: Há alguns cineastas que têm mais de um filme relevante em sua filmografia. O critério que vocês usaram foi a importância do filme ou cronológico?
ERNESTO BARROS: Sim, há vários realizadores e realizadoras com mais de um filme. Na verdade, pensamos sempre na importância do filme antes da importância do cineastas. Entendemos que os cineastas têm suas fases criativas e isso está presente na escolha dos filmes deles em seus melhores momentos.  

CONTINENTE: Existiu muita dificuldade em fazer levantamento iconográfico e de informações técnicas dos filmes?
ERNESTO BARROS: Não encontramos muita dificuldades nesse aspecto. Dada a natureza da minha profissão, repórter do setor, crítico e programador de filmes, sempre fui atento a esses detalhes. Antes de ser um pesquisador, sou um arquivista, e isso permitiu um certo apuro nos detalhes técnicos, na busca pelas fotografias, no respeito às fontes mais fidedignas, etc. Tentamos ao máximo checar as informações em mais de uma fonte, principalmente checando as fontes primárias (jornais e revistas da época da realização e exibição dos filmes) para não perpetuar datas e dados errados. 

CONTINENTE: Você acha que a memória do cinema pernambucano tem sido negligenciada? Que aspectos mais relevantes você encontrou nessa sua pesquisa?
ERNESTO BARROS: Não acho que está sendo negligenciada. Acho que ainda temos poucos pesquisadores interessados em momentos menos glamourosos do passado. Creio que o momento atual é de grande relevância e é normal que os pesquisadores se interessem pelo que está acontecendo aqui e agora. No entanto, o passado do cinema feito aqui é muito rico. As tentativas de fazer cinema entre as décadas de 1960 e 1980 não foram poucas, mesmo que muitos dos filmes não tenham sido concluídos ou sequer lançados comercialmente. As dificuldades técnicas eram tremendas, mas os filmes foram feitos e seus rastros estão ficando cada dia mais distantes. Mas estudar como foram essas tentativas, e as pessoas que os fizeram, revela verdadeiras odisseias. Há muito o que pesquisar e se maravilhar com os nossos tesouros encobertos ou desaparecidos. Acho que o mesmo ímpeto que move os realizadores de hoje já se encontrava em obras mais antigas, sejam alguns longas esquecidos ou mesmo perdidos. Ao levantarmos a poeira de jornais e revistas velhas - mesmo em suas versões digitais -, encontramos detalhes incríveis da força criadora por trás de filmes como Retribuição, O Canto do Mar, O Palavrão, Censura Livre, Funeral para a Década das Brancas Nuvens, Creuzinha não é Mais Tua, O Coração do Cinema e Morte no Capibaribe, entre muitos outros.

Publicidade

veja também

[Exposição] “Histórias da Terra”

Celebração a Osman Lins

A mágica de iludir e encantar