Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Entremez

Avenida Xambá! Presente!

TEXTO Ronaldo Correia de Brito

04 de Março de 2021

Guitinho da Xambá no FIG 2014

Guitinho da Xambá no FIG 2014

Foto Priscilla Buhr/Secult-PE

Guitinho da Xambá encantou-se. Há anos eu percebia sua lenta despedida na recusa em encarar a doença que o dilapidava. Tentei aliciá-lo a um tratamento médico e a resposta foi que não lhe faltava coragem para isso. Mas quando pensava ser o fim, vinha um sonho louco à cabeça e esquecia desses cuidados. Agradeceu aos guias, em especial ao seu carrancudo Pai Ogum e, rindo, se desculpou por ser rebelde, desobediente e obeso.

Dois meses antes de sua morte, Guitinho escreveu uma carta. Li-a com displicência e só depois compreendi tratar-se de um testamento.

“Da janela do hospital Esperança, onde estive internado nesses últimos 23 dias, via a luz do Sol, mas não conseguia vê-lo nascer, nem se pôr. Às vezes, me batia desesperança. Mas isso me fez compreender que nem sempre caminhar com o Sol ao lado significa conquista. O seu brilho intenso pode nos tornar soberbos, displicentes ou cegos. Quando sai de nossa vista, sentimos a importância e o poder de um grande mestre. E revela-se o quanto a escuridão da noite é essencial para sentirmos a primavera de uma estrela.”

– Guitinho! – telefonei preocupado.
– Diga, mestre!

Ganhei o apelido de mestre quando Guitinho foi meu aluno no Centro de Formação Apolo e Hermilo. Acho que eu dava aulas sobre história do teatro, mas ele também frequentou os cursos de criação e gestão de empresas culturais. Ali, concebeu o futuro Centro Cultura Bongar e a luta em defesa da cultura e religião do seu povo.

– Marileide me disse que você se internou num hospital. O que houve com o seu joelho?
– Derrame e inflamação. Já fui operado e vou tomar antibióticos.

Era negligente, nunca sabia informar o que tinha, nem os diagnósticos ou exames realizados.

– Pelo amor de Deus, aproveite e solicite o parecer de um endocrinologista. Você precisa investigar o edema de face, o abdome volumoso, as pernas e os braços afinando.

Eu simplificava o jargão médico, mesmo se tratando de um intelectual e sociólogo.

– Vou pedir, mestre, deixe comigo. Mudando de assunto, o senhor conseguiu tinta com a Coral, pra pintar a sede? E as missangas? Queria muito que as Yabás cantassem no Baile, em 2021. Os meninos do Pirão Bateu, também podem participar?

Choviam pedidos.

– Guitinho, se concentre no tratamento. Será possível! Nem internado você para de trabalhar.

“Percebi que o joelho pode ser um ponto de emenda, ligação entre o céu e o chão, desequilíbrio e firmeza. Assim como o alerta de que se não cuidarmos a gente bambeia e leva um mundo todo conosco.”

Sábia reflexão a de que poderia se enterrar com os sonhos, sonhados para muitos. Entre os vários projetos desse membro da Nação Xambá, praticante do candomblé, descendente de um quilombo urbano, havia o de mudar o nome da Avenida Presidente Kennedy, em Olinda, para Avenida Xambá. O terreiro e a comunidade de Guitinho se localizam próximos a um terminal de ônibus e da antiga estrada de São Benedito, no Bairro de Peixinhos.

No Brasil, existem ruas, avenidas, praças e teatros com o nome do presidente americano, assassinado em 1963. À parte sua morte trágica, simpatia e carisma, nada justifica batizar-se uma avenida, que serve a populações pobres, negras e mestiças com o nome de um branco norte-americano, envolvido na invasão de outros países e em guerras imperialistas, desestabilizadoras de nações, com o pretexto de reprimir o avanço do comunismo.

– A gente vence essa, Guitinho?
– Com certeza! Ganhamos o espaço do Centro Cultural... Só não cumpriram ainda a promessa de reformar o terreiro. É luta, mestre. Todo mundo está gravando vídeo de apoio. Já gravou o seu?

Eleito no ano de 1960, Kennedy foi presidente de 1961 até o seu assassinato em Dallas, em 1963. Durante seu governo aconteceu a Invasão da Baía dos Porcos, a Crise dos Mísseis de Cuba, a construção do Muro de Berlim e os primeiros eventos da Guerra do Vietnã, do qual revelou-se um dos arquitetos. Em 1963, de olho no petróleo, apoiou um golpe contra o governo do Iraque, general Abdul Karim Qasim, que cinco anos antes tinha deposto a monarquia iraquiana, aliada dos empresários e políticos ocidentais.

Os métodos dos americanos são sempre os mesmos e se repetem na América Latina. Aconteceu no golpe militar de 1964, e agora no governo de Jair Bolsonaro. A descarada confissão do jurista Deltan Dallagnol, de que a prisão de Lula foi um presente da CIA, confirma isso.

O trabalho de Guitinho da Xambá consistia no enfrentamento das feridas deixadas pelo colonialismo, escravagismo, racismo e patriarcalismo, e na recusa à violência sofrida por seu povo, que incluiu várias prisões e o fechamento do terreiro.

Guitinho compreendeu que só pela educação mudaria séculos de injustiça. E produziu muito em sua curta vida de 38 anos. Quase não dormia, trabalhava em excesso.

“Nesses dias, vi a importância do que já criei. É algo que me antecede, tem mais que apenas vinte anos. Muitos ainda não compreenderam que não se trata de um trabalho só meu. Pode parecer isso por eu amá-lo tanto, defendê-lo com a força da alma e com minha ancestralidade. Nessa luta, vivi sentimentos de coragem, alegria e também tristeza. Tristeza ao descobrir a fraqueza de alguns. Quando criamos o belo, sem querer provocamos sentimentos tóxicos nos outros. Mas não vai ser agora que a estrada se fecha.  Renovar é sempre o caminho a seguir.”

– Guitinho, você está se despedindo de mim?
– O que é isso, mestre, vamos fazer muitos Bailes juntos. Sexta-feira tem um arroz pra Oxalá, o senhor vem?
– Nem sei. Ainda estou com receio de sair de casa.
– ...
– E essa mensagem que você escreveu, Guitinho? Fiquei mal quando li.
– É poesia. O senhor gostou?
– Muito. Vou mexer nela, dar um acabamento literário. Posso?
– Pode.

Os descendentes de homens e mulheres africanos livres, escravizados por mais de três séculos, se rebelam contra o nome do Presidente Kennedy na via de acesso às suas casas e ao seu lugar de culto. A homenagem é acinte, uma vergonha. Lembra a continência de Jair Bolsonaro à bandeira norte-americana.

– Meu amor por esse país continua inabalado – discursou o presidente brasileiro em Dallas, depois de ser escorraçado de Nova York.

Sinapses grosseiras e perigosas se refazem, nesse tempo de sombras.

– Presidente Kennedy, go home! Viva a Avenida Xambá!

Permaneço na luta, Guitinho.

------------------------------------------------------------------------------
*As opiniões expressas pelos autores não representam
necessariamente a opinião da revista Continente.

Publicidade

veja também

A pergunta do Anjo

Diálogo à margem do tempo e da história

Disparates em tom profético