Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Curtas

Uma década de Animage

Apesar do cenário adverso, o Festival Internacional de Animação de Pernambuco chega à sua 10ª edição como um dos mais importantes do gênero no Brasil

TEXTO Augusto Tenório

09 de Outubro de 2019

Animage contempla filmes de técnicas variadas

Animage contempla filmes de técnicas variadas

Foto Divulgação

Rabiscos, imagens geradas por computador ou capturadas frame a frame diante de esculturas tomam conta do Recife do dia 11 ao dia 20 deste mês. Trata-se da esperada programação do Festival Internacional de Animação de Pernambuco (Animage), que chega à sua 10ª edição em 2019. Neste ano, as sessões acontecem na CAIXA Cultural Recife, Cinema São Luiz e Cinema da Fundação - Derby. Além da mostra competitiva, o evento deve encantar o público de todas as idades com mostras e sessões especiais de curtas e longas, oficinas de técnicas de animação e masterclass.

"Um dos objetivos do Animage, desde sua criação, foi dar oportunidade para as pessoas de todos os níveis sociais acessarem uma produção cinematográfica desconhecida, de difícil alcance e de altíssima qualidade, responsável por provocar os sentidos de uma forma não encontrada entre as produções ditas 'comerciais'. Oferecemos ao público um dos maiores e melhores festivais de animação do país, com reconhecimento internacional", comenta Antonio Guitierrez, idealizador do festival.

Integram a programação de longas produções como Les Hirondelles de Kaboul (França, Luxemburgo, Suíça, 2019, 75'), de Zabou Breitman e Eléa Gobbé-Mévellec, que será exibido na sessão de abertura do Animage, no Cinema São Luiz. Trata-se de uma adaptação do romance de Yasmina Khadra, ambientado na ocupação do Talibã em Cabul, capital do Afeganistão. O longa esteve na mostra Un Certain Regard, do Festival de Cannes.


Bruno Collet é um dos convidados do Animage deste ano. Foto: Divulgação

A edição deste ano conta com a presença de nomes como Bruno Collet, renomado diretor e cenógrafo francês que disputa a mostra competitiva com seu curta Mémorable, e também oferece mostra especial com seus filmes. Outra participação confirmada é a da alemã Kiana Naghshineh, que ministra uma oficina e também apresenta mostra com seus curtas. Chia Beloto, Marila Catuária e Bruno Cabús são os pernambucanos que capitaneiam duas oficinas que serão realizadas na Caixa Cultural Recife.

"Trazer Bruno Collet para o Animage é uma forma de proporcionar uma participação mais orgânica para ele no festival. É muito legal quando temos a presença dos diretores dos filmes da programação, sempre buscamos essa troca. Trazer todos os diretores seria incrível, mas isso depende de uma combinação de fatores que vai dos patrocínios às agendas pessoais de cada um. Com a presença dele na cidade, vamos fazer também uma retrospectiva de curtas que mostrará como ele amadureceu sua obra ao longo de mais de 20 anos", comenta o curador do festival Júlio Cavani.

A mostra competitiva deste ano recebeu mais de 800 inscrições, das quais foram selecionados 78 curtas de 30 países e diferentes técnicas de animação. O Animage premia as melhores produções nas categorias Melhor Curta-Metragem - Grande Prêmio Animage, Melhor Curta Infantil, Melhor Curta Brasileiro e Prêmio do Público, além de melhor Direção, Roteiro, Direção de Arte, Técnica e Som.

Apesar das expectativas para as premiações, exibições especiais, presença de diretores e realizações de oficinas, o Animage deste ano acontece em um cenário de ataques ao cinema não comercial: "Esta está sendo uma das edições mais difíceis de serem realizadas. A maioria dos festivais de cinema de Pernambuco deixaram de acontecer este ano. O Animage é um festival com dez dias de duração, com uma programação caudalosa e [parcialmente] gratuita [na Caixa Cultural], portanto é um evento que depende exclusivamente de patrocínios. Este ano não tivemos o edital do audiovisual do Funcultura, uma importante fonte de patrocínio para todo o setor do audiovisual do estado, onde se inclui o Animage. Estamos realizando o festival com um orçamento bastante reduzido, garantido pelo patrocínio do edital de ocupação da Caixa Cultural Recife e, em menor escala, pela Fundação de Cultura da Cidade do Recife, e pelos apoios dos Consulados Francês e Alemão, e pela força de uma equipe unida e bastante aguerrida. Mas essas dificuldades não nos tira a felicidade e o prazer de chegar aos 10 anos".

Confira a programação aqui.

Publicidade

veja também

Sujeito oculto

Motomami

Tudo em todo lugar ao mesmo tempo