Curtas

A mágica de iludir e encantar

Festival Internacional de Mágica (FIM) acontece, de 17 a 21 de abril, no Recife, com debates, performances e oficinas

TEXTO Carol Botelho

16 de Abril de 2024

Artista Fykyá Pankararu fará estreia no FIM

Artista Fykyá Pankararu fará estreia no FIM

Foto Meyriane de Mira

“Mágica é a arte de tornar possível o impossível”, define o mágico pernambucano Rapha Santacruz. Portanto, não se iluda, caro leitor, pois a mágica é muito mais do que um simples truque para enganar. “O famoso mágico espanhol Juan Tamariz defende o conceito do que chama de efeito cometa, que reflete o quanto a mágica repercute na cabeça das pessoas. Ele acredita que a ilusão pode estar em tudo”, conta Rapha, que já teve aulas com o mestre octogenário nascido no país onde a mágica se desenvolve com mais força em todo o mundo. 


Espanhol Juan Colás é uma das principais atrações do FIM
Foto: Divulgação

Há mais de 20 anos atuando na área, Rapha é o idealizador do Festival Internacional de Mágica (FIM), que acontece no Recife de 17 a 21 de abril. Oportunidade imperdível tanto para quem deseja ampliar os conhecimentos técnicos e conceitos sobre ilusionismo, quanto para os que apreciam uma programação de espetáculos com grandes expoentes da arte de iludir crianças e adultos. Como o espanhol Juan Colás, um dos mais importantes da contemporaneidade e do estilo minimalista. 

Faça desaparecer da cartola a ideia do mágico de festa de criança e vá com a mente aberta para descobrir a intersecção da arte mágica com a dança, o teatro, a música e a arte popular. “Não se trata apenas de uma arte expositiva para reprodução de efeitos, mas principalmente de uma arte narrativa e autoral”, avisa Santacruz. Realizado bianualmente desde 2017, o evento acontece simultaneamente no Teatro Santa Isabel, Paço do Frevo e Shopping Tacaruna (confira programação completa no final do texto).

Em seu quinto ano de realização, o FIM segue relevante por ser considerado o único festival do Brasil com curadoria e paridade de gêneros na programação. “Desde a primeira edição, inserimos as mulheres no evento. E isso é importante em um meio machista, que resume a presença feminina ao papel de assistente. Hoje o festival tornou-se referência no país, pois a maioria apenas seleciona as atrações inscritas ou faz convite”, conta a curadora Chris Galdino, que fez doutorado sobre ilusionismo e está no evento desde a primeira edição. 

“Temos critérios importantes como originalidade e transversalidade de linguagens”, acrescenta Chris, ressaltando a importância do intercâmbio entre artistas nacionais e internacionais. Além da Espanha, França, Argentina e Colômbia estão na grade de apresentações. Assim como pernambucanos, mato-grossenses e paulistas. “Todos os artistas permanecem no Recife até o final do festival para fortalecer a potência do diálogo e do intercâmbio com outros mágicos e com o público”, avisa a curadora. 


O mágico Rapha Santacruz defende a transversalidade na arte
Foto: Max Levay / Divulgação

Com ação formativa pensada para a acessibilidade, o evento traz também na programação o artista surdo Igor Rocha, que adotou o nome artístico de Surddy. A quinta edição do FIM apresenta ainda o primeiro ilusionista indígena do país, Fykyá Pankararu. Aos 24 anos, ele incorpora a experiência como cantor, compositor, performer e ceramista ao universo da magia e às referências do povo Pankararu, no sertão pernambucano, para construir um enredo com traços autobiográficos.

O evento tem incentivo do Funcultura, apoio do Paço do Frevo, Instituto Cervantes e Consulado Geral da França no Recife e parceria com o Shopping Tacaruna, o Som na Rural e a Administração de Fernando de Noronha.

Ingressos à venda no site Guichê Web, por R$50 (inteira) e R$25 (meia). O acesso a todos os dias de conferências custa R$200 - o tíquete permite acompanhar qualquer atividade oferecida pelo festival, das apresentações às oficinas. 

PROGRAMAÇÃO COMPLETA

Conferências, no Paço do Frevo

17-04 (19h às 21h)
Painel: Panorama da arte mágica na atualidade: Desafios e perspectivas, com todos os artistas do elenco
Condução/mediação: Chris Galdino e Rapha Santacruz

18-04 (14h às 18h)
Ortega (SP)
Juan Colás (Espanha)
Smayfer (Colômbia)

19-04 (14h às 18h)
Daniela Rocha-Rosa (SP)
Dolly Kent (Argentina)
Gutto Thomaz (SP)

Noites Mágicas, no Teatro de Santa Isabel

18.04 (20h às 21h30) - com acessibilidade através de intérprete de libras
Mestres de cerimônia: Rapha Santacruz, Iris Campos e Iara Campos
Abertura poética mágica, com Chris Galdino
Homenagem a Mr. Denis e Mr. Sales
Daniela Rocha-Rosa (SP)
Jonas (PE)
Gutto Thomaz (SP)
Everton (MS)
Dolly Kent (Argentina)

19.04 (20h às 21h30) - com acessibilidade através de intérprete de libras
Mestre de cerimônia: Rapha Santacruz
Diny (SP)
Jules Trouilard (França)
Surddy (PE/SC)
Ortega (SP)
Juan Colás (Espanha)

21.04 (20h às 21h30) - com acessibilidade através de audiodescrição
Mestre de cerimônia: Rapha Santacruz
Fykyá Pankararu (PE)
Smayfer (Colômbia)
Gutto Thomaz (SP)
Juan Colás (Espanha)
Dolly Kent e Nico Velasquez (Argentina)

FINZINHO

20.04 (17h às 18h), no Teatro de Santa isabel
Espetáculo Haru: A primavera do aprendiz (Rapha Santacruz Produções Artísticas)
21.04 (17h às 18h), no Rooftop Shopping Tacaruna - com acessibilidade através de intérprete de libras
Mestre de cerimônia: Rapha Santacruz
Igor Rocha (Palhaço Surddy) (PE/SC)
Diny (São Paulo- Brasil)
Jonas (Pernambuco)
Everton (Mato Grosso do Sul)
Ortega (São Paulo- Brasil)
Smayfer (Colômbia)
Boris Trindade Júnior - Palhaço Tapioca e Jerlâne Silva - Palhaça Bilac (Pernambuco)

Festa FIM/Som na Rural

20.04 (às 19h), na Travessa Tiradentes, no Recife Antigo
Com DJ Vibra e jam session de mágica

 

Publicidade

veja também

[Exposição] “Histórias da Terra”

Celebração a Osman Lins

Livro traça história do cinema pernambucano