Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Arquivo

Estatísticas: Seu país é feliz?

Indicador criado pela ONU aponta quais países mais felizes, em ranking que engloba 158 nações.

TEXTO Fábio Lucas

01 de Junho de 2015

Felicidade no mundo

Felicidade no mundo

Imagem Hana Luzia/Fonte:SDN/ONU

[conteúdo vinculado à reportagem de capa | ed. 174 | jun 2015]

Até um indicador de povos felizes foi criado,
há poucos anos, para conferir significado à sofreguidão coletiva pela felicidade. No âmbito da Organização das Nações Unidas (ONU), a Rede de Soluções para o Desenvolvimento Sustentável (SDSN, sigla em inglês) possui, desde 2012, um ranking de felicidade que classifica 158 países. A inspiração veio do Butão, que criou a Felicidade Interna Bruta (FIB). Na mais recente divulgação, no começo de maio deste ano, o país mais feliz é a Suíça, seguido pela Islândia, Noruega, Dinamarca e Canadá. O grupo dos 10 mais tristes é composto de oito africanos, e mais Afeganistão e Síria. O Brasil não está mal na fita, ocupando a 16ª posição.

O relatório da felicidade global da ONU associa insumos objetivos, como o Produto Interno Bruto (PIB) per capita e a expectativa de vida, a critérios subjetivos, baseados em perguntas a respeito de emoções positivas e negativas no dia anterior, e a percepção do entrevistado sobre a felicidade na vida em geral. A liberdade para se tomar as próprias decisões e o grau de apoio de pessoas próximas em momentos difíceis também entram no questionário. Segundo os organizadores do relatório, a felicidade é uma medida adequada de progresso social e um objetivo das políticas públicas.

A elaboração motiva comparações entre países com realidades e povos distintos. “Esses rankings seriam interessantes, se apontassem para outras formas de viver que nos ajudassem a sair dos impasses de uma sociedade de mercado prisioneira da visão de que a acumulação capitalista pode ser a resposta para as nossas carências”, avalia Maria Eduarda da Mota Rocha, professora do Departamento de Ciências Sociais e da Pós-Graduação em Sociologia da UFPE, mestre e doutora em Sociologia da Cultura pela USP.

Para Caciane Medeiros, da UFSM, “este tipo de ‘pesquisa’ representa mais uma maquinaria que (re)produz dados mercadologicamente pensados para mobilizar sentidos no âmbito coletivo e midiático, que colaboram para uma padronização de valores afinados a um projeto de felicidade falso, uma fábula, como diz Baudrillard, que não condiz com nossa realidade social e cultural”.

Enquanto para Raquel Carriço, publicitária e professora da Universidade Federal de Sergipe, doutora pela Universidade Nova de Lisboa, a coincidência da ocupação no topo da lista dos países mais felizes por aqueles de maior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e maior renda per capita deve ser vista com cuidado. “Isso não quer dizer que essas pessoas são mais felizes porque consomem mais. Só quer dizer que pessoas com o mínimo de qualidade de vida são felizes.”

A socióloga Ana Roque Dantas, por sua vez, afirma que a preocupação com a medição da felicidade acompanha uma necessidade social e política de avaliar o funcionamento das sociedades e o bem-estar das populações. “Esta abordagem pretende superar as limitações que os indicadores meramente econômicos apresentam quanto às possibilidades de avaliar o bem-estar social, propondo indicadores não materiais complementares”, justifica.

Segundo a pesquisadora portuguesa, com o desenvolvimento desse tipo de indicadores assistiu-se a um aumento considerável de estudos que apresentam resultados coerentes, ao longo do tempo, em diferentes circunstâncias e populações, permitindo aferir valores médios e conhecer os principais fatores que influenciam positiva ou negativamente as percepções de felicidade, bem como as suas variações.

Mesmo assim, a felicidade posta em tabela não deve ser tomada como único parâmetro das realidades nacionais. “Ainda que as pessoas saibam se são ou não felizes, os rankings não nos permitem saber o que contribui para a sua felicidade, nem conhecer os seus significados. São, por isso, insuficientes para captar as diferenças contextuais e culturais, nomeadamente para conhecer as experiências e a avaliação das circunstâncias (na sua relação com a felicidade) das populações analisadas”, diz Ana Roque. 

Leia também:
"Um escravo pode ser feliz?"
Marketing: E tome (in)felicidade!
Nos livros, o enredo é outro
Um breve aspecto da felicidade

Publicidade

veja também

Pierre Verger: Registros de um Brasil à época desconhecido

[Entrevista] Mauro Rosso

Teste WEB INTERNO DEV (Hugo Campos)