Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Arquivo

“A era do urbanismo autoritário acabou”

Atualmente radicado em Berlim, o escritor e historiador da arte Rafael Cardoso falas sobre os contextos em que o design afeta o cotidiano das grandes urbes

TEXTO Luciana Veras

01 de Novembro de 2014

Rafael Cardoso

Rafael Cardoso

Foto Cia de Foto/Divulgação

[conteúdo vinculado à reportagem de capa | ed. 167 | nov 2014]

PhD em História da Arte pelo Courtauld Institute of Art,
da Universidade de Londres, Rafael Cardoso é escritor e historiador da arte. Sua atuação no campo do design rendeu os livros O design brasileiro antes do design (Cosac Naify, 2005), Uma introdução à história do design (Blucher, 2008) e Design para um mundo complexo (Cosac Naify, 2012). Hoje radicado em Berlim, capital da Alemanha, e atuando como curador, ele falou por e-mail à Continente.

CONTINENTE De que forma o design interfere no cotidiano das grandes metrópoles?
RAFAEL CARDOSO O design opera em todas as brechas e junções, entre objetos e informação — ou seja, naquilo que chamamos de interfaces. Sendo assim, o design está necessariamente presente (para o bem ou para o mal) em sinalizações de todos os tipos: desde placas de rua até letreiros de comércio.

CONTINENTE Como o design atua na formação da identidade de uma urbe?
RAFAEL CARDOSO Se pensarmos o design no seu sentido mais amplo, como projeto, ele está presente em outras coisas também: nas plantas de redes, nos traçados de sistemas, na relação entre imóveis, ruas, veículos e mobiliário urbano. Num ambiente artificial, como uma cidade, nada acontece sozinho. Tudo precisa ser projetado.

CONTINENTE De que maneira as intervenções — grafite, pichações, letreiros em neon— demarcam um novo contexto nas cidades?
RAFAEL CARDOSO Essas intervenções constituem um sistema informal de sinalização que opera em diálogo com a sinalização formal. Elas denotam o que os próprios usuários e habitantes têm a dizer sobre a cidade, em contraposição aos discursos oficiais. São “hieróglifos sociais”, parafraseando Marx. Baudelaire e João do Rio já reconheciam isso, 100, 150 anos atrás. As prefeituras insistem em contrariar essa posição por pura disputa de poder.

CONTINENTE Qual seria o papel do designer ante as novas configurações urbanas e a vida no coletivo de uma cidade?
RAFAEL CARDOSO Dialogar. Ajudar a encontrar soluções coletivas, em vez de tentar impor fórmulas prontas. A era do urbanismo autoritário acabou. 

LUCIANA VERAS, repórter especial da revista Continente.

Leia também:
Uma marca para a cidade, e não para a gestão
"Como interagir com o lugar onde se vive?"
Signos: Como nasce a identidade de uma cidade?

Publicidade

veja também

Pierre Verger: Registros de um Brasil à época desconhecido

[Entrevista] Mauro Rosso

Teste WEB INTERNO DEV (Hugo Campos)

comentários