Indicações

[Livro] Reynaldo Fonseca

Cronologia ilustrada do artista será lançada na terça-feira (21), às 19h, no Museu do Estado de Pernambuco

17 de Maio de 2024

Óleo sobre tela

Óleo sobre tela

Foto Divulgação

Com a escassez de livros sobre a obra do pintor, muralista e ilustrador Reynaldo Fonseca, torna-se relevante a publicação que leva o nome do artista e que o Museu do Estado de Pernambuco (Mepe) lança, na terça-feira (21), às 19h. A obra é assinada por Denise Mattar e Maurício Redig de Campos. No evento, a curadora Joana d’Arc Lima fará palestra sobre o artista conhecido por sua produção figurativa e uso cuidadoso das cores.

O livro, de capa dura, 272 páginas e edição bilíngue (portugês/inglês) reúne um conjunto de obras de toda a produção do artista, desde os anos 1930 até seu falecimento, em 2019. Espécie de cronologia ilustrada, a publicação percorre toda a vida do artista e sua significativa inserção na cena artística nacional, nos anos 1980, quando residiu por um período no Rio de Janeiro. No Recife, Reynaldo já atuava desde a década de 1940. 

A publicação traz textos de críticos de arte e artistas, que escreveram sobre a obra de Reynaldo. Dentre os quais Ariano Suassuna, Francisco Brennand, Frederico Morais, Geraldo Edson de Andrade, José Cláudio, Ladjane Bandeira, Olívio Tavares de Araújo, Olney Krüse, Roberto Pontual e Walmir Ayala.

Obras do acervo do Mepe assinadas por Reynaldo estarão em exibição no dia do lançamento, como a tela a óleo Os Gêmeos (1944), com a qual Reynaldo foi premiado aos 19 anos. O livro será distribuído aos que comparecerem ao lançamento. Em seguida, será vendido por R$ 50.

O LIVRO
No universo das figuras humanas retratadas sozinhas ou em ambiente familiar, onde entram também os animais, Reynaldo revela uma atmosfera surrealista, no sentido do caráter enigmático do olhar de suas figuras, imersas em um mundo fantástico, irreal e atemporal do artista recifense. “O banal é transmutado em extraordinário”, resume a curadora Denise Mattar, no livro que assina. O rótulo de surrealista, porém, nunca foi aceito pelo artista, pois o considerava perigoso. Melhor seria defini-lo como inclassificável. 

No livro Reynaldo Fonseca, é possível visualizar a transformação estilística do artista, dos anos 1940, quando havia uma clara referência ao modernismo de Vicente do Rego Monteiro, ao cubismo e à pintura metafísica de De Chirico. Até o final da década de 1950, a gravura e a arte gráfica ocuparam a mente de Reynaldo. Somente aí é que ele retorna à pintura e já exibe em seus trabalhos as características que o tornaram consagrado. Denise aponta exatamente quando se deu a transição, com o óleo sobre tela Máscara (1959), “que já tem todas as características das obras maduras da década de 1970”, escreve Denise, no livro de arte. 

A curadora destaca ainda o caráter mórbido da pintura de Reynaldo e o desenho como base para as pinturas através da técnica de quadrícula. “A quadrícula era, para ele, um exercício de composição, um suporte para distribuir proporcionalmente os elementos constitutivos da obra, e também uma indicação para o uso da cor, uma cor construída”, diz trecho do livro, em seguida ressaltando a constante sensação de estranhamento que a pintura de Fonseca causa ao espectador. “São figuras que não conseguimos definir, silenciosas, às quais se juntam elementos sutilmente insólitos, inusitados, deslocados. É o real perturbado pelo irreal”, descreve Denise, em outro trecho da obra. 

SERVIÇO
Lançamento do livro Reynaldo Fonseca
Onde: Mepe (Av. Rui Barbosa, 960 - Graças, Recife)
Quando: Terça-feira (21), às 19h
Quanto: Acesso gratuito 

Publicidade

veja também

[Mostra] “Histórias do Cinema Brasileiro”

[Exposição] “A Festa do Fogo - Retrato de um Forró no meu Sertão”

[INSCRIÇÕES] FESTIVAL MOV