Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Arquivo

A novíssima produção nacional

Programas apostam na diversidade, da comédia aos documentários, passando por séries que primam por enredos ágeis e bem-estruturados

TEXTO Felipe Porciúncula

01 de Setembro de 2013

Escrita e encenada por Fernanda Young, a série 'Surtadas na yoga' é centrada em três mulheres estressadas

Escrita e encenada por Fernanda Young, a série 'Surtadas na yoga' é centrada em três mulheres estressadas

Foto Divulgação

[conteúdo vinculado à reportagem de "Audiovisual" | ed. 153 | setembro 2013]

Para a produtora conseguir ser viável nesse mercado
de tevês fechadas, é preciso ter vários projetos ao mesmo tempo, cada um em um estágio diferente de produção: pesquisa, desenvolvimento de roteiro, pré-produção, filmagem e montagem. Vale salientar que, em média, cada série leva uns quatro ou cinco meses para ser rodada. A diversidade de programas criados e exibidos a partir da “Lei da Ancine” vai da comédia aos documentários, passando por séries que primam pela força dramática dos enredos.

Um deles é Elmiro Miranda Show (TBS, o primeiro canal veiculado no Brasil com 24 horas de comédia), que estreou em outubro de 2012. O humorista Rafael Queiroga interpreta Elmiro Miranda, um apresentador egocêntrico, machista e inconveniente, que conseguiu ter seu próprio programa de televisão. No decorrer dos 10 episódios, de 30 minutos cada, o programa dará aos telespectadores a oportunidade de acompanhar tudo o que acontece, diante das câmeras e nos bastidores, no dia a dia da equipe e, é claro, no cotidiano de Elmiro.


A tirinha Vida de estagiário, do cartunista Allan Sieber, virou série de televisão.
Foto: Divulgação

Há também a série Vida de estagiário (Warner), que teve seu primeiro episódio em março deste ano. A trama acompanha, em uma agência de publicidade, o dia a dia do estagiário Oseias (Thomas Huszar), que, não bastasse o salário de fome, ainda tem de aguentar funções maçantes e a incompetência dos colegas. Adaptada a partir das tirinhas homônimas do cartunista brasileiro Allan Sieber, a série tem como marca o sarcasmo e o escracho. Nesse projeto, zomba do universo publicitário em geral, com tipos como Marlon (Conrado Caputto) e Paulinho (Luciano Amaral), a dupla de criação pouquíssimo inspirada, e o caricato chefe, Seu Almeida, que é dono dos cachorros Duda e Nizan.

A série 3 Teresas, que começou em maio na GNT e trata dos conflitos e dilemas vividos por mãe, filha e neta, a partir do momento em que passam a dividir o mesmo teto, já tem bons índices de audiência. Em uma casa modesta no Bairro Bom Retiro, em São Paulo, Denise Fraga, Claudia Mello e Manoela Aliperti protagonizam um enredo que fala sobre a relação entre três gerações: adolescente, quarentona e sessentona, a maneira como cada uma enxerga a vida e os efeitos que suas atitudes provocam umas nas outras.

Além de ficção, há outros projetos, como a série de documentários Tabu Brasil, que aborda temas polêmicos na NatGeo sobre personagens reais. O argumento original não é brasileiro, mas teve adaptação nacional e já está em sua segunda temporada. Este ano, serão abordados temas como mudança de sexo, prostituição, fanatismo, cirurgia plástica, nudismo e compulsão. “A proposta do formato é gerar a dúvida no telespectador sobre o que é certo e o que é errado – se é que dá para haver julgamento dentro dos assuntos escolhidos”, afirma Paulo Franco, vice-presidente de Programação e Conteúdo da Fox International Channels Brasil. 

FELIPE PORCIÚNCULA, jornalista, escritor e consultor da Unicef e Unesco.

Leia também: 
Netflix: Novos hábitos de consumo

Publicidade

veja também

Pierre Verger: Registros de um Brasil à época desconhecido

[Entrevista] Mauro Rosso

Teste WEB INTERNO DEV (Hugo Campos)