Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Artigo

O corpo na poesia de Lubi Prates

Poeta paulistana aborda o corpo como terreiro da subjetividade negra e feminina

TEXTO Raíza Hanna

01 de Março de 2021

Poeta Lubi Prates

Poeta Lubi Prates

FOTO DIVULGAÇÃO

[conteúdo na íntegra na impressa e digital | ed. 243 | março de 2021] 

contribua com o jornalismo de qualidade

A poesia contemporânea faz morada num terreno de disputa e contestação. Um terreno que deixa de permanecer apenas nas mãos das oligarquias historicamente apossadas. A poesia da agoridade – termo cunhado por Haroldo de Campos – tem suas bases fincadas, paredes levantadas e começa a adentrar, com seu mobiliário, num terreno político onde as margens finalmente são ouvidas. Não aquele de um só homem, mas em constante reconquista por muitos e muitas, e dividido por todos e todas. Um terreno aberto para temáticas, identidades, subjetividades, histórias e corpos os mais diversos.

CONTEÚDO NA ÍNTEGRA
NA EDIÇÃO IMPRESSA E DIGITAL (APP)*

*Edição digital para assinantes e venda avulsa, a R$ 8,99

Publicidade

veja também

Flavão

[Streaming] Publius lança 'singles' e faz 'live'

Narrativa de matriz autobiográfica