Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Arquivo

André Neves

Um livro para morar

TEXTO Gianni Paula de Melo

01 de Abril de 2012

Ilustrações do artista apresentam traço e humor suaves, como atesta 'Remédios e seu demônio'

Ilustrações do artista apresentam traço e humor suaves, como atesta 'Remédios e seu demônio'

Imagem Reprodução

Quando pensamos nos ilustradores de livros infantis contemporâneos, acreditamos que suas principais referências são os grandes nomes dessa área. A ligação não é de todo falsa, mas também podem constar no repertório do profissional influências das artes plásticas, como as de artistas como Samico, Reynaldo Fonsêca, Cícero Dias, Romero de Andrade Lima e Abelardo da Hora. Esses foram criadores importantes na formação do pernambucano André Neves, destaque entre os escritores e ilustradores de obras infantis, que confessa sentir um “encantamento eterno” pelos pintores de sua terra. Sua carreira profissional começou no Recife, em 1998, época em que tinha aulas com Badida e trabalhava no Espaço Pasárgada, casa do escritor Manuel Bandeira. Atualmente morando no Rio Grande do Sul, André já se considera um pouco gaúcho.


André tem vários livros publicados na Itália, e ilustra obras de escritores desse país. Imagem: Reprodução

No seu trabalho, o ilustrador preza pela variedade de materiais, explora as imagens a partir de colagens e costuma utilizar, como base, tinta acrílica e têmpera. Mas, nesse quesito, ele não restringe as possibilidades, pois acredita que o livro infantil deve estimular a reflexão e o prazer pela fantasia, independentemente da técnica empregada. Escritor dos próprios livros, ele explica que assumir esses dois lugares autorais gera um efeito diferente de criar ilustrações para histórias de outros. Nas obras assinadas unicamente por ele, a cadência das palavras é estruturada junto às imagens, como se tudo fosse pensado visualmente. “Mesmo quando o texto se apresenta primeiro, o meu pensamento visual formula situações que, muitas vezes, me fazem mudar as palavras”, observa.

O livro Cartão postal traz texto de Luiz Raul Machado. Imagem: Reprodução

O artista costuma dizer que está sempre “confabulando imagens”, expressão que dá título ao seu blog, no qual é possível acompanhar seus últimos lançamentos editoriais, trabalhos gráficos diversos, além de informações sobre o curso de ilustração que ministra. Entre seus livros mais recentes, estão Lino (Editora Callis), Maroca e Deolindo (Editora Paulinas) e Obax (Editora Brinque-Book), sendo este último o vencedor do Prêmio Jabuti 2011, na categoria infantil.


Ilustração desenvolvida para a Feira Nacional de Literatura Infantojuvenil (FNLIJ),
em Bolonha. Imagem: Reprodução

Também foi Obax que permitiu o episódio de reconhecimento mais marcante de sua carreira, quando uma pequena leitora declarou para André que gostaria de morar em uma casinha igual à do personagem. “Na ocasião, ocorreu-me o Monteiro Lobato, porque ele dizia que um dia ainda acabaria fazendo livros em que as crianças pudessem morar. Tem prêmio maior?”


Autor explora diferentes materias e técnicas, como a colagem para Carmela Caramelo. Imagem: Reprodução

Seus traços, cores e humor suaves estão sendo empenhados em um novo projeto pessoal, uma publicação intitulada TOM. Já Malvina e Tra le nuvole, livro publicado na Itália cujo título em português significa “entre nuvens”, estão na fase final de confecção. Embora leve regularmente novidades às livrarias, André também comunga o sentimento de grande parte dos escritores que tem dificuldade em terminar uma obra. “Entregar um livro para impressão é uma dor. Sempre fico com a sensação de que poderia ser diferente, de que poderia mais. Por um lado, acho isso bom, porque essas insatisfações trazem boas descobertas para os próximos projetos”, conclui. 

GIANNI PAULA DE MELO, repórter da Continente Online.

Publicidade

veja também

Lições dos dicionários

No cinema, a cidade como um reduto de "não lugares"

Coletivos: Inquietação criativa