Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Arquivo

Mídia: Imagem risível do Outro

Crescimento do acesso à internet pelas camadas mais pobres da população brasileira traz à tona um embate velado dos contrastes entre as classes sociais

TEXTO Fabiana Moraes

01 de Outubro de 2010

Imagem Hallina Beltrão sobre foto do blog da PGA

"Somos fãs do blog, todas as noites acessamos para fecharmos o dia com chave de ouro!!! Pedimos encarecidamente que seja atualizado diariamente para garantia dos nossos risos.” Tio & Tia, que escreveram o comentário no Blog da PGA (Profiles de Gente que se Acha) no dia 8 de setembro de 2010 às 12h35, não devem ser muito diferentes de nós. Pelo nome que usam para se identificar no terreno virtual, provavelmente são adultos, dado que ser “tio” hoje corresponde a ter pouco mais de 30, no mesmo mundo no qual o Viagra informa ao senhor de 65 que ele ainda é um “garoto de 20”. Tio & Tia devem trabalhar o dia inteiro e querem relaxar um pouco antes de ir para a cama, uma prática comum e correta na medida em que o riso continua como inimigo mortal do tédio de ser gente nessa ordem mundial. Tio & Tia podem ser eu, você, seu parceiro ou parceira, seu pai, irmão, melhor amigo, colega de trabalho ou de mesa de bar. Acham, todos eles, todos nós, muito engraçadas aquelas pessoas certamente feias, certamente pobres, certamente ridículas, que têm a ousadia de surgirem publicamente de biquíni, ou posando como se fossem modelos de beleza, como se devessem ser vistas, gente que merece nosso riso porque cometeram um erro mortal: elas se acham. Se acham o quê, exatamente? Algo digno de surgir publicamente, de competir conosco, com nosso padrão. São, na verdade, Profiles de Gente que nos Afronta.

No terreno em que circulam, coexistem aqueles que não se colocam tão claramente no posto de admiráveis, mas que, também munidos de câmeras e computadores (em casa, na lan house), resolvem compartilhar seus momentos pessoais em locais como o You Tube. Ali, dançam, cantam, dublam os cantores preferidos, celebram o aniversário de um ano do filho, mostram a festa de casamento, o 20º encontro da turma do 3º ano. Tudo isso, vestidos com roupas de poucos dígitos e estilos não respeitados entre os conhecedores da moda (às vezes, os poucos dígitos são aceitáveis, desde que se mostre “bom senso”); tudo isso, comendo alimentos de muitas calorias; tudo isso, ouvindo músicas que denotam a falta de determinado cultivo cultural. São todas essas faltas, aliás, que estabelecem a linha entre “eles” e “nós”; entre quem vê e quem é visto, entre quem aparece e quem ri daquele que quer aparecer.

Aí mora o que a gente chama de fenômeno: aparecer, ser visto, chegar aos olhos, fazer-se visível, o nó da questão. Antes, os certamente pobres apareciam apenas nos programas vespertinos que mostram a tentativa de reconciliação entre vizinhos, nos televisivos dominicais em que a candidata A diz que não vai namorar o candidato B porque ele “mora longe.” Apareciam apenas nos programas policiais que mostram o homem bêbado afirmando que “levou gaia” da mulher, mas que “ama ela”, as travestis que tentam encobrir o rosto enquanto o repórter pergunta por que ela brigou com o cliente. São engraçados, ao que parece, tanto que a crônica policial deu lugar a uma gozação aberta dirigida àqueles que surgem encarcerados, com direito a risos pré-gravados e intervenções pretensamente bem-humoradas dos jornalistas. Eles satirizam os bêbados e as travestis, aqueles que, segundo a lógica a eles reservada, não têm capacidade de sentir dor. Mas podem nos aliviar.

MAIS ACESSOS
Agora, o negócio se expandiu e os risíveis extrapolaram as barreiras: também estão na internet. A grande diferença é que não é determinada rede de TV ou rádio, de alcance massivo, que organiza as aparições. Nesse caso, são eles próprios, os objetos de escárnio, quem se fotografa, se filma e se disponibiliza em algum blog ou rede social. Fazem parte de uma multidão que, depois de passar no software Statistical Package for the Social Sciences (SPSS), chega enumerada em pesquisas como a divulgada em setembro pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Nela, sabemos que o uso da internet no país mais do que dobrou em apenas quatro anos (um aumento de 112%). A presença dos jovens, como poderia ser prevista, é dominante: entre as pessoas de 10 a 14 anos de idade, o percentual de usuários subiu de 51,1%, em 2008, para 58,8%, no ano passado. Entre os adolescentes de 15 a 17 anos, o pulo foi de 62,9% para 71,1%, enquanto entre jovens de 18 a 19 anos, a mudança foi de 59,7% para 68,7%. Já as lan housesrepresentam, segundo apurou a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), em 2008, o 2º lugar no Brasil em que mais se acessa a internet. Naquele ano, 47,5% das 56 milhões de pessoas que se conectaram à web disseram ter acessado a rede em mais de um local: 57,1% em casa, 35,2% nas lan houses e 31% no trabalho. Em 2005, a ordem era outra: ambiente doméstico, local de trabalho e lan houses. No Norte e Nordeste do país, as lan figuravam como primeiras na lista: no Norte, 56,3% dos usuários foram às lojas de acesso à internet, enquanto no Nordeste foram 52,9%.


O blog posta fotos retiradas de redes sociais e as comenta com
escárnio. Foto: Reprodução do blog da
PGA/com manipulação da imagem.

Essa popularização e esse acesso são traduzidos de várias maneiras para o nosso cotidiano, formado por julgamentos e brigas para manter “puros” grupos diversos (os cool, os informados, os low profile, os fashionistas, os intelectuais, os modernos, os que não ligam para os outros, os que gostam de “brega das antigas”, os que teorizam Joelma enquanto Joelma dança e fica mais rica). Tem gente que celebra e chama o fenômeno de “democratização”. Tem gente que acha absurdo acreditar que democratização seja igual a ter acesso a um computador, quando na verdade esse novo usuário não consegue entender o que lê. Tem gente que gosta de espalhar na rede a terrível frase “É nisso o que dá a inclusão digital”, referindo-se à presença maciça daqueles que o mercado chama de “classe C”.

Entre os espalhadores da frase estão incluídos o Tio e a Tia lá do início do texto, o casal que acha engraçadíssimo a mulher pobre de biquíni que a gente vê no PGA (o blog se apropria de fotos – perfis de redes sociais, como o Orkut). Também acham engraçadíssimo o hoje realmente famoso Lucas Celebridade, rapaz que acrescenta à vontade férrea de ser conhecido uma, às vezes, comovente ingenuidade. Em seu site, posta fotografias nas quais vemos sua casa localizada na pequena Luzilândia, no interior no Piauí. As paredes descascadas e os móveis tubulares roxos entregam sua condição modesta. Lucas, ao contrário da maioria daqueles que o detratam (foi para ele o comentário “É nisso o que dá a inclusão digital”), não se envergonha de sua pobreza, não se corrige nem se aplica filtros mais recorrentes entre a classe média. Proferindo um “E daí?” interno, ele se fotografa quase nu, mostra a barriga gordinha e se autointitula: “Lindo para a mulesta”. Escreve a partir de uma lan house. Do outro lado, na internet de casa ou do trabalho, agalera repassa o link e se acaba de rir.

VISÍVEIS?
É possível sumarizar tudo o que foi exposto até aqui: o fato é que a pobreza (um conceito difícil de ser estabelecido, como lemos no texto a seguir) está mais visível do que nunca, e essa visibilidade se dá várias vezes pelas mãos dessa própria pobreza. Novamente, há a chance de uma leitura múltipla: excelente, até mesmo revolucionário, esse tempo no qual outros rostos, corpos e condições podem circular publicamente num movimento criado por aqueles mesmos que querem se fazer visíveis. É um racha na hegemonia do claro + magro + jovem+ photoshopado. Mas, há ressalvas.

A filósofa Hannah Arendt é uma das teóricas que nos oferecem material para iniciarmos uma investigação sobre as implicações da (in)visibilidade, o olhar sobre o Outro (não custa lembrar que o Outro somos nós). No livro A condição humana, ela fala sobre o espaço da aparência, “no qual eu apareço aos outros e os outros a mim; em que os homens assumem uma aparência explícita, ao invés de se contentar em existir meramente como coisas vivas e inanimadas”. A ação humana precisa, segundo ela, da palavra para se fazer visível, precisa comunicar-se.


Lucas Celebridade, em ensaio fotográfico disponibilizado por ele na web.
Foto: Reprodução/diariodafama.interbarney.com

Dito isso, é hora de voltar à casa pobre e modestamente mobiliada de Lucas. Também podemos visitar uma vaquejada no Povoado Poço, também no Piauí; uma farra vivida por mulheres e homens – a maioria feliz, divertindo-se – que recebeu no You Tube o título de Forró dos feios (e mais de 2 mil acessos em um único dia). Eles todos aparecem para o mundo, não se contentam em ser coisas vivas e inanimadas, especialmente Lucas, que se faz presente de maneira pensada e marcada. Às vezes, falam e amplificam as suas ações, mostram o que consomem e o que pensam. Porém, lidas pelo viés do preconceito, do usuário que quer banir de sua região “aquele bando de cearense de cabeça chata”, as vozes ouvidas por streaming são recebidas não como mais uma informação no meio da Babilônia, mas como uma piada que logo se transformará na delícia do dia daqueles que Se Acham Melhores.

Andrea Brighenti, da University of Trento, sintetiza bem esse panorama ao dizer que visibilidade é igual a reconhecimento (trazendo aqui o pensamento de Charles Taylor, que coloca o reconhecimento como uma categoria básica da identidade humana). Se você me vê, se eu posso ser visto, significa que existo. Para as minorias, ser invisível significa ser privado justamente desse reconhecimento. Por outro lado, continua o sociólogo italiano, a visibilidade classifica. É aí que podemos iniciar uma segunda leitura dessa publicização da “classe C”, hoje, no país: como, afinal, se dá esse reconhecimento gerado pela significativa ocupação virtual desse novo público?

A resposta, você sabe, veio antes da pergunta. Ela se dá – é só ver a reação de Tio & Tia – através do exemplo negativo, do riso que coloca o Outro em posição inferior pelo simples fato de ele ostentar uma pouco respeitada pobreza. Estão, para continuarmos a seguir Brighenti, inseridos, na verdade, em uma supravisibilidade, que chega distorcida e que produz danos nesse tal reconhecimento.

É simples exemplificar, é só lembrar os grupos de imigrantes, sempre malvados e criminosos, vistos em filmes hollywoodianos pouco inspirados. Ou na loura “burra” que costuma ser representada nos programas humorísticos. Nos gorduchos e meio atrapalhados dos “filmes de adolescente”. A todos é dada a “oportunidade” de serem vistos, mas ela não os faz, na verdade, visíveis. Esconde-os sob estereótipos, também os denigre, também os reduz. É o mesmo, enfim, que se passa com Lucas, com os dançarinos do Povoado Poço, com a travesti que briga para ser paga enquanto é ridicularizada na TV. O mesmo que se passa com aquela Gente que se Acha

Leia também:
Pesquisa: O que faz pobre um indivíduo?

Publicidade

veja também

Teatro Infantil: Coisa de criança, coisa de adulto

Herança de Nova Orleans no Nordeste do Brasil

A poesia está morta? Viva a poesia!