Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Curtas

Revista Plaf

Publicação pernambucana de HQs lança sua 1ª edição

TEXTO Eduardo Montenegro

01 de Setembro de 2017

Paulo Floro, Dandara Palankof e Carol Almeida, editores da Revista Plaf

Paulo Floro, Dandara Palankof e Carol Almeida, editores da Revista Plaf

FOTO Fernando de Albuquerque

Quando se fala em histórias em quadrinhos, não é incomum imaginarmos homens brancos, héteros e cisgêneros por trás da produção e protagonismo, tanto nacional quanto internacional, especialmente após a eclosão da cultura dos super-heróis encabeçada principalmente pela Marvel e DC Comics. Aqui, no Brasil, quadrinistas como Maurício de Souza ocuparam estantes com seus desenhos e histórias impressas. Entretanto, como tudo que rege a arte – no caso, as HQs não estariam de fora – existe uma produção para além do mainstream. Partindo da ideia de que os quadrinhos movem histórias e afetam, também possuindo importância de discurso dentro de qualquer cenário político, social ou cultural, a revista Plaf lança sua primeira edição neste sábado (2/9), na EV Store, no Espinheiro. Custando R$ 15, a publicação tem como linha editorial a celebração dos quadrinhos, também utilizando disto um mote para diversas discussões contemporâneas.

É o caso da matéria de capa da primeira edição, por exemplo, que utiliza como suporte os quadrinhos – inclusive os da Marvel e os da DC Comics – para discutir questões LGBTT, não somente no universo das HQs, mas de uma maneira geral. Segundo Paulo Floro, editor da revista junto com Carol Almeida e Dandara Palankof, “os quadrinhos têm muito a dizer sobre o mundo, e o mundo tem muito a dizer sobre os quadrinhos”. Para ele, a revista surge num boom de popularidade dos quadrinhos, tanto em importância como em relevância para fomentar debates a respeito de todos os temas que permeiam o espaço contemporâneo de discussão, leis, ideias e vontades. “Os quadrinhos sempre foi algo caracterizado como infantil, foi marginalizado, censurado etc. Volta e meia está brigando por legitimidade. Como toda arte, [os quadrinhos] reflete o mundo. (…) A revista surge num 'boom' de popularidade e voltou a ser visto como algo importante para discussão”, conclui.

Além da matéria de capa, a edição #1 da revista apresenta a história de Maria Aparecida Godoy, ou somente Cida Godoy, considerada como mulher pioneira no ramo de quadrinhos no Brasil, por ser roteiristas de Drácula. Suas obras misturavam elementos do folclore brasileiro com o terror. A história da Ragu, publicação pernambucana de quadrinhos, também é abordada na revista na reportagem assinada pela editora Dandara Palankof. Nessa edição, a Plaf apresenta quatro quadrinhos inéditos de Lu Cafaggi, Raoni Assis, Renata Rinaldi, João Lin e Caio Oliveira.

Serviço
Lançamento da Plaf
Sábado (2), às 15h
EV Store, Rua Conselheiro Portela, 417, Espinheiro
Entrada gratuita
http://revistaplaf.com.br/

 

Publicidade

veja também

Ana Ivanova, a voz de ‘King Kong em Asunción’

Pelejas em redes: vamos ver quem pode mais

Desmanche

comentários