Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Arquivo

Berlim: Cinemas que guardam a identidade urbana

Salas de exibição na capital alemã resumem influências sociais e políticas e guardam a efervescência das estreias de clássicos do século 20

TEXTO André Dib

01 de Setembro de 2012

O Delphi fica em Charlottenburg, centro da antiga Berlim Ocidental

O Delphi fica em Charlottenburg, centro da antiga Berlim Ocidental

Foto André Dib

[conteúdo vinculado à reportagem de capa | ed. 141 | setembro 2012]

É possível conhecer uma cidade através
de seus cinemas. Em Berlim, isso emana de antigos palácios, redes comerciais e pequenas salas independentes, um conjunto de quase 200 pontos de exibição de filmes que reflete mudanças complexas, algumas ainda em processo, como a condição de cidade dividida pelo muro soviético para a de um dos maiores centros do capitalismo contemporâneo.

Inaugurada em 1963, a Kino International talvez seja a sala que melhor represente esse contraste. Por quase três décadas, o cinema oficial do regime comunista, situado na Karl Marx Allee, foi a sede das grandes estreias. Ali também trabalhavam, no subsolo, os funcionários da censura. O muro caiu e, hoje, ironia do destino, o International faz parte da Yorck Kinogruppe, rede que evitou a falência de vários cinemas de rua ao padronizar a programação com lançamentos comerciais, em sua maioria, norte-americanos.


Inaugurado em 1929, Babylon recebe mostras internacionais

Entre outras salas históricas administradas pela Yorck estão o Paris Cinema, o Delphi Filmpalast, o Kant Kino e o Babylon. Os dois primeiros ficam em Charlottenburg, centro da antiga Berlim Ocidental e antigo reduto da burguesia alemã. Já o Babylon, inaugurado em 1929 na Rosa-Luxemburg Strasse (em frente ao teatro Volksbühne, onde se formou Bertold Brecht), mantém-se fiel às influências humanistas, recebendo mostras de cinema mundial e apresentações especiais, como a homenagem com música ao vivo em memória de Nosferatu, clássico do expressionismo alemão que completa 90 anos, este ano.

No Potsdamer Platz, estão as salas tecnologicamente superiores, como as da rede CineStar (Sony Center) e o Cinemaxx. Região devastada pela Segunda Guerra, abandonada durante a Guerra Fria e, na última década, redesenhada como ícone do capitalismo megacorporativo, no qual se afirma a nova Berlim, o Potsdamer Platz foi o local eleito para abrigar o Berlinale Palast, complexo especialmente construído para o Festival de Berlim e que, uma vez por ano, se torna a maior referência em termos de conforto, tamanho de tela e projeção cristalina. Anualmente, a Berlinale também se apropria do Friedrichstadt Palast, luxuoso palco dedicado a espetáculos de dança, que, equipado apropriadamente, se transforma em espaço de excelência, como foi a sessão de Taxi Driver, de Martin Scorsese, restaurado em digital 4K. Também no Potsdamer Platz, a Deutsche Kinemathek tem uma programação de clássicos, como a mostra Fritz Lang, legendário diretor de Metropolis.


Nos intervalos das sessões do Kino Central, cinéfilos se encontram no Café Cinema

No entanto, nada supera a experiência de frequentar as pequenas salas alternativas, encontradas principalmente em redutos ideologicamente libertários, de diversidade étnica e cultural, como nos bairros de Kreuzberg, Friedrichshain, Schöneberg e Neukölln. No Eiszeit, por exemplo, pude assistir a Jimi & das Fehmarn Festival, documentário sobre a influência de Jimi Hendrix, que se apresentou em Hamburgo e deixou marcas na cultura local. De inspiração anarquista, no Regenbogen Kino é possível deixar as crianças no playground durante a sessão. E, se sua bicicleta quebrar, basta pagar um euro para usar a oficina ao lado. No Kino Central, após o filme, vale conhecer o Café Cinema, contíguo à sala. Além do bom cardápio e decoração, é um tradicional ponto de encontro para cinéfilos e afins.

Esse é apenas um recorte, entre tantos possíveis, ao explorar o circuito de cinemas de Berlim, cuja diversidade permite revelar não somente filmes inesperados, mas as diferentes faces de uma cidade. 

ANDRÉ DIB, jornalista.

Leia também:
Memória: Um sexagenário fundamental
Cinema como vetor para cultura e turismo
Espaços de educação e amor ao cinema

Publicidade

veja também

Pierre Verger: Registros de um Brasil à época desconhecido

[Entrevista] Mauro Rosso

Teste WEB INTERNO DEV (Hugo Campos)

comentários