Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Perfil

Cantando, eu mando a tristeza embora

A jornada da cantora e compositora carioca Teresa Cristina, de estrela do circuito boêmio na Lapa até se tornar a Rainha das Lives

TEXTO Débora Nascimento

01 de Dezembro de 2020

A artista Teresa Cristina

A artista Teresa Cristina

Foto MARCOS HERMES/DIVULGAÇÃO

[conteúdo na íntegra até 7/12  | ed. 240 | dez 2020]

contribua com o jornalismo de qualidade

“A tristeza é senhora
Desde que o samba é samba, é assim
A lágrima clara sobre a pele escura
À noite, a chuva que cai lá fora
Solidão apavora
Tudo demorando em ser tão ruim
Mas alguma coisa acontece
No quando agora em mim
Cantando, eu mando a tristeza embora”

Desde que o samba é samba, Caetano Veloso

Cantar. O que mais gosto de fazer. Estamos em ritmo de desaceleração, em recolhimento. A partir das 15h, tentarei uma coisa nova aqui: vou fazer uma live pra cantar alguns sambas imprescindíveis num momento como esse. E tem é samba, viu? Aceito sugestões. Às 15h, a gente se encontra!”. No dia 16 de março de 2020, Teresa Cristina fez esse anúncio na sua conta no Instagram. A cantora e compositora carioca não poderia supor que esse post despretensioso inspiraria uma sequência de lives que entrariam para a história da cultura brasileira neste ano tão terrível para o país e o mundo.

CONTEÚDO NA ÍNTEGRA
NA EDIÇÃO IMPRESSA E DIGITAL (APP)*

*Edição digital para assinantes e venda avulsa, a R$ 8,99

Publicidade

veja também

Desafios e surpresas nas artes visuais, em 2020

‘Ledores no breu’ e as possibilidades da palavra

“A pandemia revelou o poder do convívio”

comentários