Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Arquivo

Petrolina: Imponência neogótica

Principal catedral do São Francisco pernambucano destaca-se pelas paredes externas de pedras e pelos vitrais interiores, preservados há mais de oito décadas

TEXTO CARLOS EDUARDO AMARAL
FOTOS LEO CALDAS

01 de Outubro de 2012

Foto Leo Caldas

O italiano Antonio Maria Mellano (1864-1931), radicado na França com o sobrenome de Malan, embarcou para a América do Sul em missão com os salesianos no início do século passado e aportou no Uruguai, onde se tornou sacerdote. Daí, partiu pelo Brasil indo à região do Araguaia, no Mato Grosso, e começou seu trabalho de evangelização até ser transferido para Petrolina em 1924, destinado a ser o primeiro a ocupar o posto de bispo de uma diocese que possuía apenas cerca de 3 mil habitantes.

Lá empreendeu, entre outras benfeitorias, a construção de um hospital, que hoje leva seu nome, dois colégios – o Maria Auxiliadora, para mulheres, e depois o Dom Bosco, para homens – e uma catedral cuja ideia fora recebida com incredulidade por algumas pessoas próximas ao clérigo, às quais respondeu: “Façamos a casa de Deus, e tudo o mais crescerá ao redor”. De fato, a Catedral do Sagrado Coração de Jesus testemunhou todo o progresso que Petrolina apresentaria nas décadas seguintes à inauguração do templo, em 1929.


Vista a partir da concha acústica da Praça Dom Malan

O padre Francisco José Pereira Cavalcante, nascido no Crato e radicado em Araripina, revela que a concepção da catedral não surgiu de imediato: “Dizem que ele pensou numa reforma da Igreja Matriz, que estava um tanto deteriorada, mas decidiu por outra maior. Italianos gostam de coisas grandiosas”. Autor de Catedral de Petrolina – profecia e evocação e com mais de 30 anos de ordenado, padre Francisco acrescenta que Dom Malan realizou diversas viagens ao Sudeste e à Europa para angariar fundos para a obra.

A catedral, que levou cinco anos da bênção da pedra fundamental à sagração, desde então figura imponente no plano urbano e pode, ainda hoje, ser avistada de alguns pontos da cidade a mais de dois quilômetros de distância. O templo se situa na praça que leva o nome de Dom Malan, a cinco quadras da orla do Rio São Francisco, e que comporta ainda uma concha acústica para missas campais e o busto do clérigo. No entorno da praça, encontram-se o Colégio Maria Auxiliadora, ao leste, e o casarão da diocese, ao norte, enquanto o Colégio Dom Bosco fica a um quarteirão atrás da diocese.

INSPIRAÇÃO NO PAJEÚ
Para a construção da catedral de Petrolina, Dom Malan recorreu ao padre francês Carlos Cottart, formado em Engenharia antes de abraçar o sacerdócio, e responsável pelo projeto da catedral de Afogados da Ingazeira, no mesmo estilo neogótico. Numa das viagens do bispo petrolinense para a Europa, atrás de recursos, Padre Cottart faleceu, e então foi firmado um contrato entre a diocese e a construtora Odebrecht, em 1927, que finalmente agilizou os trabalhos – prejudicados até ali por conta dos problemas de saúde do vigário do município do Pajeú.


Vitral homenageia a atividade missionária salesiana

Um aspecto não concebido por padre Cottart e que diferencia a catedral de Petrolina de outras tantas igrejas neogóticas do país é a sua fachada de pedras, que alude ao próprio nome do município. Cerca de 4 mil metros cúbicos de granito foram retirados de uma pedreira ao lado da Igreja Matriz de Nossa Senhora Rainha dos Anjos (que perdeu o título de catedral com a inauguração do novo templo) e de outra nas imediações do atual aeroporto de Petrolina. São conhecidos os relatos sobre o transporte das pedras para o canteiro de obras, feito pela própria população, a pedido de Dom Malan.

Consagrada a Cristo Rei e ao Sagrado Coração de Jesus, a catedral veio a abrigar também a imagem original de Nossa Senhora Rainha dos Anjos, padroeira da cidade. Oriunda de Vila Real de Santa Maria, localidade que centralizava o missionarismo católico no médio São Francisco, antes da fundação de Petrolina, ela remete ao período em que as ilhas situadas nos atuais municípios de Orocó e Santa Maria da Boa Vista possuíam aldeamentos indígenas e centros de catequese, antes de o marquês de Pombal (1699-1782) expulsar índios e religiosos.

Construída conforme a orientação geográfica característica dos templos góticos e neogóticos, do Oriente para o Ocidente, a catedral petrolinense, por outro lado, possui um toque único, devido ao revestimento exterior de blocos pétreos. Enquanto as principais edificações daquele estilo adquirem uma aparência suja ou sombria, com o passar do tempo, as paredes externas que dão para a praça Dom Malan – recortadas por estruturas caiadas em branco-gelo – mantêm o ar claro, resplandecente, registrado em fotos desde os anos 1920 e favorecido pela ausência de poluição aérea no Sertão.


Padre Francisco registrou a história da Catedral de Petrolina em livro

Com 22 pináculos e discretos contrafortes, os quais assumiram o papel maior de sustentação do edifício em lugar dos arcobotantes, a tendência a priorizar a verticalização não sobrepujou a robustez do templo, ao passo que, em outras igrejas neogóticas, contrafortes e pináculos recebem caráter mais ornamental, de resgate do espírito gótico autêntico, e minimizam o lado meramente funcional.

VITRAIS
Outros elementos que chamam a atenção na catedral são: o relógio, doado por Padre Cícero e que continua a funcionar desde 1931; a imagem de Cristo ladeada por São Pedro e São Paulo, acima do pórtico; os sinos, afinados nas notas sol, lá e si, e que, juntos, pesam uma tonelada e meia; e o altar-mor. É marcante, sobretudo, a considerável coleção de 57 vitrais internos, que reitera uma preferência decorativa comum aos salesianos, ao neogótico e a importantes edifícios históricos e turísticos em Pernambuco.

Todos os vitrais do templo – à exceção de um, feito em São Paulo – foram fabricados na França, pela Companhia Balmet. Os menos acessíveis à contemplação dos visitantes, devido à distância do chão, são os que substituem o clerestório (as janelas que ladeiam a abóbada da nave central) e foram presenteados por 10 estados brasileiros. Já a disposição dos que se situam na abside (recinto de teto abobadado no final da nave), rodeando o altar-mor, possibilita que sejam vistos com menor incômodo, mesmo em um patamar alto. Melhor visibilidade possuem os das nas naves laterais, das capelas do transepto e os das capelas das absidíolas, que rodeiam a abside por trás.


Espaço que abriga o altar-mor

Os vitrais das naves laterais são dedicados à Maria, à direita (lado sul), e a Jesus Cristo, à esquerda (lado norte), e representam os principais episódios bíblicos que ambos os personagens protagonizam. Por sua vez, os vitrais das absidíolas centram-se em São José e em santos italianos e franceses, denotando outra inclinação salesiana. Segundo Padre Francisco Cavalcante, a maioria dos vitrais das absidíolas (pequenas absides) é igual aos das igrejas de São Luiz de França e de Santo André, em Grenoble, cidade-sede da Balmet.

No entanto, apenas na catedral de Petrolina existe um vitral, com motivos tropicais, que homenageia a atividade salesiana no Brasil. Nele, Dom Malan prega para os índios às margens do Rio Araguaia. Padre Francisco lembra que, de tempos em tempos, há a necessidade de realizar a restauração e manutenção dos vitrais, sob responsabilidade do vitralista Fernando Floriano. E por uma razão prosaica, além do desgaste natural: “Eles sofreram violentas agressões da parte do tempo, mas também de pessoas que, na tentativa de matar os pombos que moram nas torres da igreja, terminam por quebrá-los”.

Tudo o mais está crescendo ao redor da catedral de Petrolina, como previu o primeiro bispo da cidade, mas prédios altos já começam a circundar a praça Dom Malan. Por ora, eles ainda deixam que a grandiosidade da igreja se destaque na maior parte do centro de Petrolina e o São Francisco. Porém, já existe a preocupação para que a ocupação urbana não tome o resplendor do templo que antecedeu os demais edifícios de grande porte da capital do Alto Sertão pernambucano. 

CARLOS EDUARDO AMARAL, repórter especial (interino) da revista Continente.

Publicidade

veja também

Livros não são para dar lição, mas para imaginar

Chiclete: Um doce grudado à cultura pop

Alagoas: Marcas da colônia na Rota do Imperador

comentários