Edição #274

Janeiro 24

Nesta edição

Diálogos das grandezas e belezas de Pernambuco

A partir desta edição, a revista Continente entra em uma nova fase. Num processo dinâmico e de múltiplos diálogos. No impresso e digital. No conteúdo e na forma.

O projeto gráfico assinado pelo designer e ilustrador Christiano Mascaro espelha com precisão a nova aposta editorial. De lógica plástica e fluida. Os eixos temáticos existem, mas não são escravos das convencionais seções e colunas e outros tipos de recortes. A orientação da leitura é dada pelo desenho, o percurso visual, em que a imagem também pode ser lida como um texto. De menos a mais, num creciendo, como na dinâmica musical, mas aplicada à espacial: num jogo de imagens e textos.

O fio condutor desta nova Continente pretende-se que esteja na excelência gráfica, e em sutis reinvenções e reiterações, a cada novo número. Busca-se o deleite visual, privilegiando o desígnio do design. O prazer do texto encontra o seu par no da imagem. Assim, a leitura pode ser uma experiência mais divertida. Esta é a marca da revista, e está visível – ou subentendida – na marca, logo, a cada novo número, com pequenas variações. Estas representam a síntese da plasticidade e reforçam uma convicção: não render-se às fórmulas prontas, sobretudo as estanques.             

A quebra das convenções não fica limitada à estrutura e organização da edição impressa. Está pensada para um ambiente multiplataforma, propondo um outro “alfabeto” em que, se a cultura tem um diálogo no conteúdo, também o exercita no continente.

Neste número inaugural da nova fase, a revista celebra Pernambuco. Suas grandezas, riquezas, belezas: naturais e culturais. As coisas únicas ou, no mínimo, singulares.

Para gostos tão diferentes quanto são as pessoas e as culturas esta é uma revista em que a diversidade dá o tom. Do porto de Suape à Ilha de Fernando de Noronha. Do Vale do Catimbau a Katmandu. Do Museu do Cangaço em Serra Talhada aos cangaceiros mitificados em séries e novelas e desmistificados em livros. De um lugar do sabor em Brasília Teimosa (Recife) ao do trabalho no Ceará.

A Continente que, nas suas origens, teve um subproduto de sucesso na Documento, incorpora-o agora às páginas da revista principal. Mantém e aprofunda a ideia, com reportagens e pesquisas que podem servir como fonte segura de conhecimento. Se aí a palavra-chave é fonte, esta foi também a escolhida para sintetizar o tema de estreia: um longo e minucioso panorama sobre a música pernambucana. No calor do verão – a primeira estação da nova Continente os ritmos quentes de compositores/as e cantores/as pernambucanas/os: populares, de massa, eruditos, de vanguarda. 

Por fim, duas curiosidades: a palavra Pernambuco tem, para alguns estrangeiros, dois sentidos desconhecidos da maioria dos brasileiros. Na Espanha está na expressão “aquí y en Pernambuco”, significando este o lugar mais distante e exótico possível. Na França e em outros países é o sinônimo da madeira com que se fabricam os melhores violinos. A Caesalpinia echinata, isto é, o nosso pau-brasil. Para muitos pernambucanos, Pernambuco é apenas um continente, ou, ao menos, como na gravura de Johan Blaeu (1643), “o país de Pernambuco”. Sonhado pelos heróis e mártires de 1824 (cujo bicentenário transcorre neste ano de 2024). Um estado de grandeza cultural e natural que cresce e se multiplica nos diálogos que propõe e desenvolve.

Mário Hélio | Editor

 

Leia

Publicidade

Sumário

As dez maravilhas de Pernambuco

O escritor, professor e pesquisador Joaquim Falcão lista 10 coisas que ele destaca em Pernambuco

Paixão à primeira mordida

Em Brasília Teimosa, o Vieira, em um clima familiar, oferece cardápio rico em frutos do mar

Prenascimento

No projeto, o fotógrafo Luiz Santos acompanha a construção do Centro Cultural do Cariri

Vale do Catimbau

Parque se consolida como um polo turístico nacional com seu acervo de pinturas rupestres

Fernando de Noronha

As tradições, lendas e vestígios arqueológicos do arquipélago famoso por suas belezas naturais

Nepal

Fotógrafo registra elementos do budismo e hinduísmo em viagem a Katmandu

Na estrada

Jornalista narra sua viagem de Londres a Katmandu, na segunda metade dos anos 1990

Suape

Área que abriga o principal complexo portuário do estado é cheia de histórias, memórias e praias

Cangaço

Todo o imaginário que cerca a temática tem inspirado uma nova leva de produções televisivas

Frederico Pernambucano de Mello

Escritor e pesquisador fala sobre o mistério e o fascínio que envolvem Lampião

Serra Talhada

A 413 km do Recife, cidade investe na sua herança cultural ligada aos cangaceiros

Música Pernambucana

Um passeio pelas principais referências de hoje e de ontem

Música Experimental

Sons e ruídos expandem os limites dos gêneros musicais vigentes

Entrevista

Maciel Salú lança seu sexto álbum solo, que faz uma homenagem a seu orixá