Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Arquivo

Zel Nunes

Brasília em fotografismo

TEXTO Chico Ludermir

01 de Agosto de 2011

As linhas da arquitetura de Brasília compõem a obra de Zel Nunes

As linhas da arquitetura de Brasília compõem a obra de Zel Nunes

Foto Reprodução

Quando chegou à Brasília, há 35 anos, Zel Nunes se sentiu abduzido pela organização espacial da cidade. Percebia-se em outro planeta, frente à arquitetura modernista local. O que foi fascínio para o adolescente, aos poucos, converteu-se em influência e trouxe consequências na fotografia do soteropolitano. As formas, cores, ritmos e repetições da paisagem construída da capital federal estão transpostas em fotografismos.

Em cliques de fins de semana, o artista procura captar uma outra cidade, ideal, vazia e sua. Num contraponto aos grandes planos com que é retratada, Nunes se concentra em uma Brasília de recortes, ângulos e enquadramentos peculiares e texturas variadas.


Os títulos das fotos são compostos apenas por consoantes que formam palavras em inglês, como MBRLL (umbrella).

A sua percepção aguçada provavelmente advém do olhar que estranha, próprio dos forasteiros. Tal como o poeta Nicolas Behr, que constrói em sua antologia poética Braxília uma cidade imaginária, Zel Nunes também cria uma cidade, tomando como referência uma outra, também inventada. Além do próprio espaço, as influências para as fotos vêm de movimentos artísticos. Do Construtivismo, absorve a abstração geométrica, do Cubismo, os planos e volumes – e, da Arte Abstrata, a supremacia das formas, cores e detalhes sobre a figura ou representação. “Sou muito geométrico e gosto de destacar as linhas e curvas como componentes fundamentais dessa geometria”, define. Dessa forma, o artista é capaz, até mesmo, de transformar o estático em sensação de movimento.


STRNG CNVRSTN (strange conversation)

Historiador por formação, Zel Nunes não se considera fotógrafo, tampouco vive de fotografia. No entanto, desde criança, tem contato com as artes visuais. Na sua família, tudo era motivo para fotos, o que acredita ter influenciado o seu olhar.

É, sobretudo, um experimentador agraciado pelas novas possibilidades do mundo digital e nunca fez sequer um curso de fotografia. “Para mim, aulas me enquadrariam, tirariam minha espontaneidade e disso eu corro léguas a fio.”


Em seus trabalhos, percebem-se elementos da Arte Abstrata, do Cubismo e Construtivismo

Conhecido no site de compartilhamento Flickr (/zelnunes), Nunes é um defensor das novas mídias e acredita que a arte só ganhou com a evolução dessas ferramentas. “Tem muita gente boa compondo imagens maravilhosas por causa da digitalização.”


Através de enquadramentos singulares, o artista brinca com cores, ritmos e repetições

Para ele, a câmera acaba virando uma companheira de todos os momentos em um contexto de necessidade de ser entendido pelo mundo globalizado. “Faço composição visual e uso a fotografia como veículo.” 

CHICO LUDERMIR, estudante de Jornalismo e estagiário da Continente.

Publicidade

veja também

Goiana: Uma vila operária cercada por igrejas

Gente Nossa: Teatro feito para divertir

Serra das Paridas: Preciosidade escondida entre vales e cânions

comentários