Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Reportagem

O ataque do pós-negacionismo [parte 1]

Em ano de eleições no Brasil e diante de disputas de narrativas em torno da invasão da Ucrânia pela Rússia, torna-se mais difícil combater desinformação e manipulação de fatos

TEXTO Débora Nascimento e Luciana Veras

01 de Abril de 2022

Ilustração Cau Gomez

[ed. 256 | abril de 2022]

Pouco antes das 6 horas do dia 24 de fevereiro, em Moscou, Vladimir Putin, com seu habitual semblante de estátua, anunciou a decisão de promover uma “operação militar especial” no leste da Ucrânia. Em seu discurso na TV estatal, o presidente russo, bastante cuidadoso com a linguagem, afirmou que não havia planos para ocupar o território ucraniano e que apoiava o direito dos povos residentes do país vizinho, assegurando que a ação tinha o objetivo de “desmilitarizar” e “desnazificar” a região de Donbass. Minutos depois, além de Donbass, foram relatadas explosões em Kiev, Kharkiv e Odessa. Mal começara o conflito e, na TV brasileira, o jornalista Jorge Pontual, diretamente de Nova York, criticava a análise do historiador Rodrigo Ianhez, após a fala deste à Globo News. Naquele dia, a internet, a imprensa e a academia amanheceram com mais um assunto para discutir: Rússia ou Ucrânia? Quem tem razão? Iniciava não somente mais uma importante guerra no mundo, mas também uma outra “guerra de narrativas”.

CONTEÚDO NA ÍNTEGRA
NA EDIÇÃO IMPRESSA E DIGITAL (APP)*

*Edição digital para assinantes e venda avulsa, a R$ 8,99

Publicidade

veja também

“Meu interesse é me comunicar”

Trema! 2022

Yorhán Araújo