Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Arquivo

Malika Favre

Em busca do essencial

TEXTO Laís Araújo

01 de Agosto de 2014

Imagem Divulgação

Aos 18 anos, um desenho rasgado por um professor fez a francesa Malika Favre mudar drasticamente sua visão sobre a própria arte: após partir ao meio o rascunho da aluna, ele falou que a culpa do trabalho ter se estragado era exclusivamente dela, por adicionar detalhes demais. Treze anos depois, as ilustrações de Malika são reconhecidas pelo enfoque minimalista, utilizando poucas cores e linhas, substituindo a quantidade pela força. “Ele me disse que há beleza em espaços vazios, que adicionar linhas demais acaba sufocando o desenho. Foi algo que teve grande influência no meu trabalho.” Dentro de casa, houve a influência materna, que apontava erros recorrentes de balanço e proporção (e que plantou nela o amor por cores e padrões). Buscando o espaço criativo necessário para se construir como artista, migrou de Paris para Londres, onde, apesar de manter uma estética que define como “bastante francesa”, sentiu a energia que precisava para produzir.


O belo e o sensual marcam suas ilustrações. Imagem: Divulgação

Descascar os desenhos, tirar camadas das ilustrações até que o que esteja ali seja essencial: esse é o conceito-chave de Malika, que explica ter um ritual de criação antropofágico (antes de começar a desenhar, alimenta-se de milhares de imagens – menos as de páginas de design, para não criar interferências perigosas – e espera uns dias para o cérebro computar todas elas). O processo segue ao adicionar cores e formas mais grosseiras e ir controlando e limpando o material até que nada pareça sobrar, que todas as linhas estejam no lugar correto, sem excessos. “Eu diria que meu trabalho é ousado e minimalista, sensual e atrevido, e que sempre carrega uma narrativa, por menor que ela seja. Amo sugerir linhas que não estão lá, para que quem veja possa interpretar e imaginar uma história em torno disso. Meus assuntos são, em geral, simples, partem de um pensamento coletivo – acho clichês muito interessantes e penso que eles transmitem alguma verdade, falam para a consciência coletiva. Clichês são muitas vezes negligenciados e eu prefiro reinterpretá-los, fazê-los atuais e visualmente interessantes do que abordar assuntos mais complexos.”


Característica do seu trabalho também é o equilíbrio na composição e no uso de cores e apdrões gráficos. Imagem: Divulgação

O Alfabeto kama sutra, feito para a editora Penguin Books, sua obra de maior repercussão, reflete seus métodos e teorias. Ao entregar os primeiros moldes, feitos com um erotismo mais tímido e domado, recebeu “não” como resposta; depois, com o design aprovado, foi tão longe, que precisou substituir a letra “M” por uma opção considerada publicável. O processo foi “longo, doloroso, mas valeu muito a pena”, de acordo com ela. Lidar com o ambiente comercial não é um problema – ela diz que adora trabalhar com briefings e achar soluções para clientes, além de ter certa dificuldade em se enxergar como artista e ser chamada como tal. “A primeira vez em que fui exposta a um público foi com o projeto Hide and seek e foi uma sensação muito boa. Eu nunca me senti de fato como uma artista e demorou um tempo para perceber que tinha coisas para dividir, para dizer. Criar para si mesmo é um processo muito prazeroso e que adiciona pressão extra. Senti que estava dividindo minha visão de mundo, que as pessoas iriam me julgar por ela, e não ia ter em quem pôr a culpa, se tudo desse errado. Hoje, penso que tanto o trabalho comercial como o pessoal podem coexistir, sem um ser mais valioso que o outro.”



As clássicas posturas sexuais do Kama Sutra ganharam uma roupagem contemporânea - e não menos erótica - com seu traço. Imagem: Divulgação

O projeto Hide and Seek, que expõe uma típica mulher de Favre viajando e se escondendo entre um padrão gráfico e outro, foi exposto na Kemistry Gallery, uma das poucas galerias londrinas que juntam o design com outras artes visuais. Entre outras obras de destaque de Malika - que conta ser influenciada por artistas como a ilustradora Aurore de la Morinerie, os escritores surrealistas Boris Vian e Alessandro Baricco, e as bandas The Black Keys e Herman Dune - está a belíssima Zodiac, com representações dos signos; as séries tipográficas Wallpaper pin-ups e The mind business; além de peças únicas como Esquisses e SHOP, realizadas sob encomenda de empresas e publicações. “Sempre tento não comprometer meu trabalho comercial, mesmo que o cliente tenha, ali, um dedo nele. Quando crio obras comerciais com o mesmo padrão que o trabalho pessoal, a sensação é maravilhosa.” O resultado também. 

LAÍS ARAÚJO, estudante de Jornalismo e estagiária da Continente.

Publicidade

veja também

Força da tradição humanista

Octavio paz: A dialética de comunhão e solidão

Dança, seja qual for