Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Indicações

[filme] Alice Júnior

O primeiro beijo de uma jovem em travessia

TEXTO Revista Continente

05 de Novembro de 2020

Frame do filme brasileiro 'Alice Junior'

Frame do filme brasileiro 'Alice Junior'

Imagem Divulgação

Há muitos inícios de jornadas em Alice Júnior (Brasil, 2019): é o primeiro longa-metragem do realizador paranaense Gil Baroni e é o primeiro trabalho da pernambucana Anne Mota, que, por sua vez, foi a primeira trans a receber o prêmio de melhor atriz no 52o Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. No enredo também é assim, pois Alice, a personagem-título, sai do Recife para uma cidade no interior do Paraná ao lado do pai (Emmanuel Rosset) ainda “BV”, ou seja, com a boca virgem. A travessia para o primeiro beijo será permeada por preconceito e transfobia, mas também coragem e bom humor. Um dos méritos do filme, agora disponível na Netflix, é adotar linguagem ágil e leveza nos diálogos para narrar uma história comum pela ótica de uma jovem trans. Dica extra: leia aqui entrevistas exclusivas com Anne e com o diretor.

Publicidade

veja também

[Exposição] Alexandre Nóbrega na Garrido Galeria

[Curta] Eu-tempo

[Artes visuais] Leilão Trovoa em Chamas

comentários