Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Arquivo

Nestor jr.

Natural, figurativo, erótico

TEXTO Laís Araújo

01 de Junho de 2014

Imagem Reprodução

Corpos nus em posições improváveis, como nas pinturas de Egon Schiele (com menos sofrimento e mais corpulência que estas), olhares marcantes, referências à natureza, tudo realizado em cores suaves de aquarela e, vez ou outra, gravados em metal. Com um traço já reconhecível, o catarinense Nestor Jr. oferece uma obra discreta, mas cheia de possibilidades. Nascido e criado num sítio, na pequena cidade litorânea de Penha, o artista de 30 anos se dedica exclusivamente à produção, estudo e compartilhamento de conhecimentos artísticos. Antes da decisão sobre o uso de seu tempo, porém, a costumeira dúvida sobre a possibilidade de viver somente da arte: aconselhado pelos pais a não alimentar o interesse pelo desenho, viveu até cinco anos atrás uma dupla jornada criativa, trabalhando como ilustrador e utilizando as horas vagas para produzir seu trabalho autoral.


A fusão dos seres humanos com a natureza e a beleza assimétrica dos rostos estão presentes em seus trabalhos. Imagens: Reprodução

“Quando eu comecei com ilustrações para os mercados de moda e publicidade, procurei afastar o que fazia nessa área da minha pesquisa pessoal. Mas não dá para fugir totalmente do teu traço, um acaba contaminando o outro. Lembro-me de criar e logo descartar, porque tinha muito do meu trabalho pessoal naquelas linhas.” A separação consciente do que fazia como profissional e como artista rendeu suas primeiras exposições – e a experiência foi tão boa, que encheu Nestor de desgosto pela ideia de continuar a trabalhar com briefing, sob a aprovação de terceiros. Insatisfeito, largou a indústria.

Ele mantém a rotina de trabalho de oito horas diárias no seu ateliê, montado em sua casa em Florianópolis, e é representado por galerias da Bahia, São Paulo e de seu estado natal. O artista diz que seu retorno financeiro, apesar da insegurança da inconstância, é maior do que quando trabalhava como ilustrador. Ultimamente, conta, tem refletido mais que produzido. “Ando revendo a minha forma de ver, viver e lidar com meu trabalho”. Fazer o balanço e repensar a própria poética trouxe a experimentação: após uma década utilizando apenas a aquarela, apareceram os trabalhos em xilogravura, metal, acrílica, além de instalações, vídeos e fotografias. “A minha intenção é ampliar o meu trabalho sem limite de suportes ou técnicas.”


A nudez aparece tanto de forma inocente e inatural como em
intensidade erótica. Imagem: Reprodução

Independentemente do meio utilizado, a temática que permeia sua obra se manifesta com clareza, fato que ele descreve como “uma repetição, uma insistência de representações”. Estão ali a nudez inocente e natural, mas também erótica, os rostos marcados por uma beleza assimétrica, a fusão dos seres com a natureza. Sua maior inspiração visual é o período renascentista, além de artistas como Gustave Courbet, Cícero Dias e Franklin Cascaes. Já a vontade de criar foi impulsionada pelo cinema, em especial pelos filmes marginais de Júlio Bressane e pelos dilemas de Almodóvar. Mas Nestor diz que seus temas mais queridos estão presentes desde a infância.


Os corpos nus entrelaçados e retorcidos remetem às pinturas de Egon Schiele. À direita, produção em aquarela, técnica que é destaque em suas criações. Imagens: Reprodução

“A primeira imagem que tenho do corpo nu, e que me incomodava num certo sentido, era a nudez da minha mãe em casa. Desde muito criança, o corpo nu e o sexo me atraíram muito, visualmente. Meus pais tinham uma bíblia imensa, ilustrada com imagens renascentistas, e eu adorava aquele livro, com esses corpos nus muito expressivos. Era uma fixação.”

Aos seis anos, ele passou a desenhar corpos semelhantes. Nas figuras de suas obras é possível encontrar certa familiaridade: algumas, ele explica, são pessoas importantes em sua vida – outros são crias aleatórias, que acabam reaparecendo enquanto produz.

“Dessa nudez doméstica, a da minha mãe, guardo a corpulência de uma mulher com descendência italiana. Todas as mulheres que eu represento guardam essas características corpóreas, a imagem feminina que me agrada. A assimetria é uma coisa que me causa uma comoção maluca também. O estranho e o feio, para mim, têm uma força gigantesca que sempre me instigou”. 

LAÍS ARAÚJO, estudante de Jornalismo e estagiária da Continente.

Publicidade

veja também

A composição está em crise?

Efeitos: De onde saíram os monstros

Comunitário: Tablado para quem quiser

comentários