Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Arquivo

O 'Baile' nunca termina

TEXTO Ronaldo Correia de Brito

01 de Dezembro de 2013

Foto Divulgação

Depois de repetir-se muitas vezes, até uma mentira, desde que não tenha pernas curtas, se torna verdade. Habituei-me a dizer em entrevistas que Antonio Madureira, Assis Lima e eu nos queixávamos da invasão de renas, Jingle bells e neve falsa no Natal brasileiro, e resolvemos criar uma brincadeira para nossos filhos cantarem e representarem durante o ciclo natalino. Tivéramos a sorte de viver em meio a reisados, lapinhas e bois, a herança do Natal ibérico, assimilada no nordeste do Brasil pelas populações rurais e urbanas, incorporada às culturas índia e negra.

A conversa poderá ter sido essa, mas tudo nasceu de um esboço de representação teatral, ao estilo dos autos e dramas populares de empanada, que Assis Lima mandou de São Paulo para mim, pedindo que eu encenasse com minhas irmãs, num Natal do Crato. Esse arcabouço poético existiu, eu o guardo com carinho. Madureira havia composto a música de Lua Cambará, o primeiro e talvez único filme longa-metragem brasileiro na bitola super-8, que realizamos nos anos de 1975, 76 e 77, com Horácio Carelli Mendes, uma aventura de malucos, típica da contracultura. Do convívio com Madureira, um músico aclamado por seu trabalho à frente do Quinteto Armorial, ficou o desejo de uma nova parceria.

Em 1981, começamos a entregar a Zoca as letras do futuro Baile do Menino Deus. Sem internet nem Skype, com ligações telefônicas caras e precárias, a comunicação com Assis era feita pelo correio. Zoca tocava para eu ouvir as primeiras criações musicais e Assis, em São Paulo, apenas sonhava.

Decidimos juntar às nove composições em parceria, três peças de reisado, com escrita e arranjos nossos: JaraguáBurrinha e Boi. Tínhamos 12 músicas, o bastante para um long-play. Zoca terminara de gravar Brincadeiras de roda, estórias e canções de ninar, na Eldorado, dirigida por Aluízio Falcão, que trabalhara com Marcus Pereira. Nosso desejo era fazer o Baile pelo mesmo selo. Alugamos o estúdio do Conservatório Pernambucano e, com a ajuda de músicos e cantores amigos, gravamos uma fita modesta, com a intenção de mostrá-la na Eldorado. Zoca conseguiu a produção, mas tivemos de gravar tudo no Recife, no velho e decadente Studio Rozenblit, com apenas oito canais.

Enquanto isso, Assis e eu aprontávamos o texto teatral. Em novembro de 1983, lançamos na loja Trupizupe, de Germano Haiut, no Shopping Recife, o nosso Baile do Menino Deus. A produção estourou os gastos e creio que Zoca ficou no vermelho. Mas o prejuízo não impediu que sonhássemos com uma Trilogia das festas brasileiras, que se completou com Bandeira de São João e Arlequim de Carnaval.

Procurei José Mário Austregésilo, da Praxis Dramática, e apresentei o Baile. Nesse tempo, não existiam leis de incentivo à cultura. Os produtores corriam o risco da encenação, os teatros lotavam e havia até quem ganhasse dinheiro. A Praxis aceitou o desafio, tínhamos apenas um mês para montar o espetáculo e ainda faltava escolher o diretor. José Mário propôs que eu dirigisse. Da noite para o dia, fui investido no papel de encenador. No mesmo novembro de 1983, com o Teatro Waldemar de Oliveira lotado, estreou o Baile. Ao final, as pessoas choravam comovidas, se abraçavam felizes como numa celebração.

Essa primeira montagem ficou sete anos e meio em cartaz sem modificar o elenco, a não ser as crianças, que se tornaram adultas. Havia interrupções e mudanças de teatro, mas o público se mantinha fiel. Algumas famílias compareciam tantas vezes, que Zé Mário ofereceu ingresso livre a elas. O Baile colecionou histórias incríveis nos seus 30 anos Brasil afora, representado pelos mais variados grupos.

Vou contar apenas uma. Chego com a família à cidade de São José da Coroa Grande, no mês de dezembro, para a temporada de praia. Encontramos a cidade cheia de faixas anunciando o Baile do Menino Deus. Meus filhos pequenos me perguntam se eu dei o consentimento. Digo que não. Querem saber se pode. Respondo que o Baile tornou-se de domínio público com os autores vivos e que, se fosse nos Estados Unidos, estaríamos milionários. Eles lamentam o prejuízo e combinamos ver a montagem. De noite, num salão improvisado em teatro, entramos com jeito de criminosos, depois de pagar os ingressos. Quando o Mateus entra e grita o “boca de forno”, me vê no meio da plateia, me reconhece, perde a fala e bota para tremer. Eu dou boa gargalhada, ele relaxa e o espetáculo prossegue.

Juro, embora eu tenha fama de “verdadeiro” mentiroso, que não dá para saber as centenas de encenações do Baile. Em 1996, a editora Bagaço publicou o texto adaptado para prosa, com ilustrações de Rosinha, que ficou 15 anos em catálogo. A editora Objetiva vendeu ao Programa Nacional Biblioteca Escolar quase meio milhão de um livrinho bem modesto, com o texto teatral completo. Depois, fez uma edição de luxo. Graças a esse número extraordinário, o Baile foi distribuído por muitas escolas do Brasil e as encenações se multiplicaram. Infelizmente, para os nossos bolsos, as montagens nunca têm fim lucrativo.

O Baile completará 30 anos de vida e 10 anos na Praça do Marco Zero, no Bairro do Recife – uma produção arrojada da Relicário, tendo Carla Valença à frente. O Baile tornou-se o “marco” natalino do Recife e de Pernambuco, um ritual sagrado e profano, alegre e comovente, um bem coletivo das milhares e milhares de pessoas que o assistem todo ano.

A fala do Mateus, fechando a encenação, garante que o Baile será eterno:

Senhores donos da casa,
Jesus, José e Maria,
o baile aqui não termina,
o baile aqui principia
do mesmo jeito que o sol
se renova a cada dia,
da mesma forma que a lua
quatro vezes se recria,
do mesmo tanto que a estrela
repassa a rota e nos guia

RONALDO CORREIA DE BRITO, escritor.

Publicidade

veja também

Impressas para durarem 150 anos

Digestivos: Tudo por um grand finale

O retrato da vítima

comentários