Cepe
menu

Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Cobertura

Hilda Hilst em animação pornográfica

Sávio Leite encontrou no curta-metragem 'Vênus: Filó, a fadinha lésbica' a melhor linguagem para traduzir o anárquico, iconoclasta e provocativo poema de Hilda

TEXTO Júlio Cavani

09 de Agosto de 2017

O curta 'Vênus' é baseado na poesia 'Filó, a fadinha lésbica', de Hilda Hilst, e deverá incomodar pelas escolhas

O curta 'Vênus' é baseado na poesia 'Filó, a fadinha lésbica', de Hilda Hilst, e deverá incomodar pelas escolhas

Imagem Divulgação

Finalmente chegou ao Brasil um dos curtas-metragens nacionais mais bem-sucedidos de 2017 no circuito internacional. Vênus: Filó, a fadinha lésbica, do mineiro Sávio Leite, foi lançado no concorrido Festival de Berlim em fevereiro deste ano e, em junho, ainda participou do Festival de Annecy, principal mostra de cinema de animação do mundo. Depois de passar por 25 cidades no exterior, o filme fez a estreia brasileira oficial em Fortaleza na programação do Cine Ceará*.

A primeira exibição nacional, na verdade, seria no Recife, no Cine PE, mas Sávio Leite foi um dos diretores que decidiram retirar o filme da programação em protesto político contra o festival do empresário Alfredo Bertini (primeiro secretário do audiovisual do governo Temer, acusado de sabotar a participação de Aquarius na disputa por uma indicação ao Oscar). Vênus também não entrou no Anima Mundi, talvez por possuir um conteúdo pornográfico demais para o perfil conservador da mostra de animação realizada em São Paulo e no Rio de Janeiro.

O filme faz parte de uma série de animações de Sávio Leite com títulos de nomes de planetas do sistema solar. Vênus é baseado na poesia Filó, a fadinha lésbica, da escritora Hilda Hilst (1930-2004), lançado em 1992 no livro erótico Bufólicas. No curta, o texto é interpretado por Helena Ignez, uma das maiores atrizes do cinema brasileiro (presente em clássicos como O bandido da luz vermelha, O padre e a moça e Copacabana mon amour).

Sávio encontrou na animação a melhor linguagem para traduzir o anárquico, iconoclasta e provocativo poema de Hilda. Ele ainda desenvolveu uma adaptação bastante atual, ao utilizar a linguagem dos GIFs animados da internet, populares em sites de sexo explícito. Algumas das cenas, inclusive, foram desenhadas por cima desses pequenos vídeos repetitivos montados a partir de poucos frames ou fotos.



Em um tempo de engajamento político nas questões LGBT, é provável que Vênus vá incomodar e enfrentar cobranças exigentes, até por ser um filme realizado por homens com uma protagonista feminina e lésbica (o premiado Azul é a cor mais quente, por exemplo, foi bastante combatido na França). A assinatura de Hilda e a voz de Helena ajudam a contrapor essas possíveis críticas, assim como o tom nonsense da narrativa, que, em determinado ponto, desconstrói e reinventa as normatividades sexuais de forma escrachada e libertária. A correspondência entre palavras e imagens é bem livre, indireta e não linear, com um fluxo de informações que alcança mais sentido no subconsciente sexual da plateia.

A trajetória do curta coincide ainda com um bom momento vivido pelo cinema de animação produzido no Brasil, simbolizado pela indicação ao Oscar, conquistada em 2016, do longa-metragem O menino e o mundo, de Alê Abreu. Ainda no mesmo ano, o desenho animado Quando os dias eram eternos, de Marcus Vasconcelos, foi um dos curtas mais premiados do país e venceu, inclusive, o troféu Candango de Melhor Curta-Metragem no Festival de Brasília (disputado também por filmes de ficção e documentários). Em 2017, é celebrado o centenário da animação brasileira, que começou em 1917 com O Kaiser, de Álvaro Martins.

A primeira projeção de Vênus: Filó, a fadinha lésbica no Recife ainda não tem data definida, mas é possível que o curta esteja nos festivais Animage (o mais provável), Janela Internacional de Cinema ou Recifest, pois se encaixa bem nos perfis dos três eventos.

JÚLIO CAVANI, jornalista, crítico e realizador. Dirigiu os curtas Deixem Diana em paz (2013) e História natural (2014). Atualmente, é também curador do festival Animage.

* O jornalista viajou a convite do festival, realizado de 5 a 11 de agosto em Fortaleza (CE).

Publicidade

veja também

"Menos glamour, mais cinema"

Quando governo intercede em relações de afeto

Sobre uma vida pluriamorosa, ou a liberdade do desejo

comentários