Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Indicações

[Autoficção] A criança ferida em 'Sem fim'

Autodescoberta e conflitos familiares são temas do livro de Hugo Casarini

TEXTO Revista Continente

01 de Abril de 2022

Imagem Reprodução

Em Sem fim (Quelônio, 2021), Hugo Casarini traz para o texto as situações conflituosas que viveu com sua família, sobretudo diante de sua orientação sexual. A autoficção centra-se na personagem h, jovem abastado que sai da casa interiorana mineira nos anos 1980 e vai viver na metrópole paulistana as experiências dos afetos e do prazer, numa época de efervescência cultural e liberação sexual. Ali, a criança ferida permanece latente. Os capítulos são abertos por fotografias de André Penteado e o prefácio é da psicanalista Maria Rita Kehl, que escreve: “A escrita, para os sobreviventes das famílias infelizes, faz função da frágil jangada onde se agarra o náufrago em alto-mar. Se tiver sorte, as correntezas vão depositá-lo num porto, numa ilha. Na escrita e na vida, Hugo Casarini encontrou seu porto nas amizades, e, sobretudo, no amor”.

Publicidade

veja também

[Oficina] Mapas afetivos

[Clipe] Juliana Linhares lança ‘Frivião’

[Exposição] AGORA: Right Now