Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Reportagem

Parem de nos matar!

No Brasil pandêmico, junto à alarmante quantidade de mortes pela Covid-19, tivemos outra estatística trágica: o aumento de feminicídios

TEXTO LUCIANA VERAS
OBRAS LÍVIA AQUINO

01 de Julho de 2021

Obra 'Gritemos'

Obra 'Gritemos'

FOTO Aline Canassa (MAP FAAP)/Divulgação

[conteúdo na íntegra nas edições impressa e digital | ed. 247 | julho de 2021]

contribua com o jornalismo de qualidade 

Mirella não compareceu ao trabalho na manhã de uma segunda-feira de março de 2004 e isso alertou a empresa onde ela trabalhava, em São Paulo, que então ligou para sua família, no Recife, para indagar: alguma notícia da funcionária dedicada que até então nunca faltara a um único compromisso profissional? Ângela estava em Búzios, no litoral do Rio de Janeiro, para as festividades de fim de ano, mas, no penúltimo dia de 1976, decidiu terminar seu namoro, que durava poucos meses. Daniella havia saído das gravações no estúdio da emissora onde atuava, na capital carioca, em uma noite de dezembro de 1992, mas nunca chegou em casa. Isabel pediu à amiga Socorro para acompanhá-la em uma conversa com o ex-marido, com quem precisava discutir os pormenores do desenlace a respeito de um empreendimento comercial, no final de 2019, no interior de um estado do sudeste brasileiro.

Mirella Bezerra de Melo Martins morreu em 22 de março; Ângela Maria Fernandes Diniz, em 30 de dezembro. Causa das mortes: disparos por arma de fogo perpetrados por homens com quem haviam se relacionado – respectivamente, Rogério Gomes de Faria e Raul Fernando do Amaral Street. Daniella Ferrante Perez Gazolla foi apunhalada várias vezes por Guilherme de Pádua Thomaz, ator com quem contracenava na novela De corpo e alma, e pela esposa dele, Paula Nogueira de Almeida Thomaz. Isabel e Socorro, nomes fictícios, hoje vivem nas lembranças de quem as conheceu e nos autos processuais de uma vara criminal: faleceram em decorrência de severas queimaduras, ocasionadas após o ex-marido de Isabel atear fogo a um colchão e colocá-lo em frente à porta do banheiro onde as amigas haviam se refugiado tão logo o homem, violento, começou a espancar a ex-mulher.

CONTEÚDO NA ÍNTEGRA
NA EDIÇÃO IMPRESSA E DIGITAL (APP)*

*Edição digital para assinantes e venda avulsa, a R$ 8,99

Publicidade

veja também

Esta cidade anfíbia e seus caminhos

“Me considero um experimentalista”

Mulheres androides no cinema