×

Aviso

Please enter your DISQUS subdomain in order to use the 'Disqus Comments (for Joomla)' plugin. If you don't have a DISQUS account, register for one here

Coplas: versos do cancioneiro popular são entoados por músicos participantes da festaCoplas: versos do cancioneiro popular são entoados por músicos participantes da festa

Cerim
ônia realizada anualmente com música, dança e comidas típicas no Noroeste da Argentina está de acordo com a lei da reciprocidade que, para os povos andinos, rege o universo

Pela intensidade dos raios solares, já era perto de meio-dia. Muitos já estavam impacientes para a festa que se seguiria com dança, música e farta e típica comida da região de Cafayate, distrito de Salta, Noroeste da Argentina. Uma senhora se aproxima da apacheta. Os cabelos muito brancos contrastam com sua pele queimada, de traços indígenas. A apacheta é o nome indígena para o buraco feito na terra, dedicado a alimentar a Pachamama. A apacheta é a boca e o ventre da “Mãe-Terra” (tradução literal para Pachamama). Traduz o ato de alimentar e dar frutos. É o altar dedicado à divindade maior para os povos andinos. Mesmo sob uma postura envergada e com o auxílio de uma bengala, a senhora caminha assertiva em direção ao local. Oferta à terra: empanadas, alfajores, biscoitos etc. Em seguida, o vinho, “sangue divino”, e a água. Termina suas palavras e preces pedindo perdão à Pachamama. “Te peço que mostre o caminho verdadeiro, porque está perdido nosso mundo. Pela desunião. Porque não nos compreendemos. Pachamama, Mãe-Terra, tenha piedade de nós”.

É 1º de agosto no Noroeste da Argentina. Precisamente na comunidade Dieguita Kallchaki, localizada no “El Divisadero”, território ancestral da nação diaguita, arredores da pequena Cafayate. No calendário agroecológico andino, a entidade suprema e divina da Pachamama desperta nesse período de um longo descanso. Acredita-se que, nessa fase de transição, é preciso renovar as suas forças dando-lhe de comer e matando-lhe a sede. O ritual de “hacer comer la Pachamama” (“fazer comer a Mãe-Terra”) se inicia ainda nas primeiras horas do dia, quando as casas são defumadas. As cerimônias, comunitárias ou particulares, de agradecimento e perdão à divindade, contudo, mantém-se ao longo de todo o mês.

A apacheta (essa cavidade no solo encoberta por volumosas pedras em formato cônico) é o local central da cerimônia. Sobre uma toalha, posta ao seu lado, os pachamamistas chegam e vão depositando suas oferendas. Não pode faltar a tradicional gastronomia local: folhas de coca (cujo hábito de mascar é ancestral e tem por finalidade aguentar as altas altitudes), empanadas de doce de leite e o vinho Toro, um tinto envasado em tetrapak. “Abre-se a boca da Mãe-Terra nesse lugar escolhido energeticamente pelas pessoas. Não é em qualquer lugar. Todos os anos depositamos as oferendas no mesmo lugar. E, nesse dia, oferta-se a comida que cada um mais gosta. Os frutos mais deliciosos e as batatas mais lindas que te deu a Mãe-Terra, num ato de devolver energeticamente”, explica a pesquisadora argentina Noemí Amália Vargas, professora de Artes Visuais da Universidade Nacional de Arte em Buenos Aires e licenciada em Culturas Tradicionais.

No vocabulário oral, os pachamamistas usam expressões como “fazer comer”, “alimentar e matar a sede” ou “pagar” à Mãe-Terra. “Quando estamos fazendo o pagamento à Mãe-Terra, estamos pagando por tudo que temos. Pela comida, pela energia do sol… A Pachamama tem seu próprio espírito. Tem a ver com esse poder que tem sobre nós. Na concepção andina, o homem tem vários espíritos. Não só um. Até sete, dizia minha mãe. Vivemos em um plano horizontal, porque todos temos espíritos, as plantas, os animais, tudo. Muitas pessoas não sabem isso. Sabem que têm que pedir permissão e agradecer. Mas é por isso que temos que pedir permissão à Mãe-Terra, porque ela tem espírito”, ressalta Amália, que também se reconhece como indígena (nação chicha de Jujuy).

Esse ritual está intrinsecamente conectado ao princípio da reciprocidade andina, fundamento que mantém o caráter coletivo e comunitário que acompanha as sociedades indígenas. Como comportamento, traduz-se na atitude de “devolver por igual o que recebeu” ou “receber de volta o que foi dado”. Amália Vargas ressalta que o ayni, um dos fundamentos associados à instituição da reciprocidade, funciona como uma espécie de guia que motiva essa partilha, seja qual for o ritual comunitário. Numa explicação apressada, ayni quer dizer “ajuda mútua”. Porém, não se trata de algo simplesmente voluntário. O “dar e receber” independe das atitudes humanas, é uma espécie de lei que rege o universo para os povos andinos.

Pachamama (Pacha, “terra”; mama, “mãe”) é um termo quéchua, idioma dos aborígenes incas. No Peru e Bolívia, essa língua ainda se encontra amplamente viva. Enquanto que, na Argentina, cada vez menos frequente no cotidiano dos descendentes dos povos andinos. Interpretar essa entidade como Mãe-Terra, associando-a apenas à fertilidade da terra, recai em reducionismo. Pachamama é terra geológica, mas também todo o seu conjunto. É transcendental e cósmica.

Leia matéria na íntegra na edição 195 da Revista Continente (mar 2017)

capa 196
CONTINENTE #196  |  Abril 2017

banner Suplemento 316x314

publicidade revista