Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Entremez

É distensão, por favor, apenas distensão

TEXTO Ronaldo Correia de Brito

08 de Junho de 2018

Ilustração Ashlyn Oakes/Reprodução

Não fui eu quem inventou a distensão na literatura e no teatro, embora sempre recorra a essa técnica nos meus textos. Walter Benjamin escreveu sobre o tema, fixando o conceito. Dramaturgos e romancistas que o antecederam já usavam o recurso como técnica ou linguagem. Benjamin sugeriu que escrever consiste largamente em citações – a mais louca técnica mosaica imaginável. Estou de acordo e obedeço. A partir de um relato do historiador grego Heródoto, ele fixou o conceito de distensão. Parece tão simples agora, tão óbvio depois do seu brilhante ensaio.

Quando conquistou Mênfis, o persa Cambises para humilhar o rei Psaménito mandou desfilar à frente dele sua filha vestida de escrava, na companhia de outras jovens da nobreza. Os pais caíram no pranto, mas Psaménito apenas baixou a cabeça. Depois Cambises ordenou que desfilasse um cortejo com 10 mil jovens da mais alta casta, entre eles o filho do rei, todos com uma corda no pescoço e um freio à boca. Iam ser executados. O rei soube controlar os sentimentos e, igualmente a quando viu a filha, não chorou. Logo após passarem os jovens, Psaménito avistou um mendigo velho e andrajoso e reconheceu nele um de seus comensais. Despojado da antiga riqueza, o infeliz ia de porta em porta implorando um pouco de alimento. Diante da cena, o soberano não se conteve, chamou o homem pelo nome e caiu no pranto. Quando foi interrogado por que procedera dessa maneira, Psaménito falou: “As desgraças de minha família são muito grandes para que eu as possa chorar; mas a triste sorte de um amigo que, já na velhice, cai na indigência, merece minhas lágrimas sinceras”.

A distensão não pode ser interpretada apenas como a catarse de uma personagem. É bem mais do que isso. Em Macbeth, de Shakespeare, na cena III do segundo ato, enquanto o espectador sofre e se horroriza com a sucessão de assassinatos cometidos pelo casal Macbeth, incluindo o do próprio rei, um porteiro discorre longamente sobre o seu ofício e o que a embriaguez estimula: nariz vermelho, sono e urina. Quanto à luxúria, ele diz, provoca e não provoca; provoca o desejo, mas leva embora a execução. E continua o blá-blá-blá sobre temas alheios à tragicidade da cena, conduzindo a plateia ao riso e à distensão. O homem ainda fala que o muito beber é o hipócrita da luxúria, cria e destrói, excita e paralisa, persuade e desanima, levanta e faz murchar. E outras elucubrações, queixas e sandices. Não poderia haver um contraponto mais estranho à ação de matar e morrer do que as parolices de um criado, porém trata-se de recurso usado por um gênio, artifício que será repetido por muitos outros escritores.

Dostoiévski abusava tanto da didática, de aulas e teorias nos seus longos romances, que as longas distensões irritaram o jornalista e escritor Paulo Francis. Certa vez, ele decidiu recortar tudo o que achava excessivo em Os irmãos Karamazov (ou seria Crime e castigo?), montando um novo livro, apenas com os trechos que considerava essenciais. A tesoura não perdoou as digressões sobre a Igreja e Deus, sobre a miséria, os estudos da epilepsia, as peças jurídicas de crimes, e etc., etc., até restarem poucas páginas. Depois da tosquia, Francis releu o seu Frankenstein e achou-o abominável, pobre, ridículo. Concluiu que não há Dostoiévski sem os excessos. Escrever muito era também consequência da miséria do autor, que recebia pagamento pelo número de páginas produzidas.

Nas viagens por feiras e salões internacionais de livros me impressionou, sobretudo na Alemanha, a recusa a qualquer formato de romance brasileiro que lembre o chamado romance de cultura. Sei que mesmo Thomas Mann, Robert Musil e Hermann Broch são pouco lidos nos tempos atuais. Em relação ao Brasil, a Europa e os Estados Unidos continuam desejando o velho exotismo e os estereótipos de brasilidade criados por Jorge Amado, ou livros sobre os dramas sociais da periferia de cidades grandes como o Rio ou São Paulo. É um estigma que dificilmente conseguimos quebrar.

Dentro de nossas fronteiras também existem cobranças. A moda dos anos 1960 e 1970 de prevalência da linguagem sobre a história (aliás, esta tem pouca ou nenhuma importância) continua valendo, com leis geralmente criadas pelo Sudeste e academias, com seguidores. Atravessamos contos, novelas e romances contemporâneos como se quebrássemos pedra, à procura de um veio aurífero que quase nunca se revela. Revela-se tedioso ler narrativas esquemáticas, sem paixão, cheias de ciladas que não assustam nem transtornam o leitor.

Quase não existe tensão ou distensão na nova literatura. A distensão se camufla em meros artifícios de linguagem e há uma rigorosa censura para não se dizer nem revelar. Patrulha-se tudo o que já foi estilo e forma nos clássicos: ensaios, exposição de ideias e pensamentos, digressões sobre a História, análise estética, opiniões políticas. Esqueceram que o romance era o espaço onde tudo cabia, do jornalismo à crônica, das cenas teatrais, como em Dostoiévski, aos grandes debates. Restam poucas saídas aos que se aventuram em escrever mais do que abobrinhas.

Publicidade

veja também

Não sei de mais nada

Compre livros brasileiros, muitos, leia todos e salve o mercado nacional

Depois do baile

comentários