Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Curtas

O morse desse corpo

O corpo como código no novo livro do poeta Ricardo Domeneck

TEXTO Sergio Maciel

05 de Novembro de 2020

O escritor e poeta Ricardo Domeneck

O escritor e poeta Ricardo Domeneck

Foto Divulgação

[conteúdo na íntegra | ed. 239 | novembro de 2020]

contribua com o jornalismo de qualidade

Ricardo Domeneck é dos poetas incontornáveis de nossa língua e disso sabemos. Tendo publicado mais de 10 livros, entre prosa e poesia, dos quais caberia destacar aqui Cigarros na cama (Berinjela, 2011) e O ciclo do amante substituível (7Letras, 2012). Editou durante anos uma das revistas de poesia mais importantes da língua portuguesa, a Modo de Usar & Co., e desse contato com as poéticas mais variadas, sobretudo com a tradição, derivam duas frentes de seu trabalho que julgo fundamentais: a primeira é a lírica amorosa homoerótica, que recupera uma herança importantíssima dos antigos sem jamais torná-la ultrapassada; a outra se estabelece no contato com aquilo que, graças à biografia do poeta, lhe é caro, isto é, a vivência de um modo interiorano do país – que revela outras práticas, também tradicionais – que não é comum aos dos grandes centros.

Dentro dessas duas frentes poéticas, apresenta-se, fundamentalmente, a figura do corpo, como objeto mediador de todas essas experiências. É o corpo, portanto, que ama outro corpo igual ao seu e também que se situa entre as mazelas e, a bem-dizer, entre as delícias de outros brasis. Em seu mais recente livro, O morse desse corpo, publicado pela editora 7Letras este ano, o poeta coloca em posição central, como o próprio título sugere, esse mecanismo através do qual nos deslocamos pelo mundo.

Em seu último livro, o corpo se apresenta como sujeito de linguagem, mas de uma linguagem muito específica, que é o morse, dando-se, portanto, através de seus pequenos ruídos, de suas chagas, que recebe seu “morse de tosses”, num modo um tanto quanto cifrado e não plenamente acessível aos interlocutores. O morse, que está no corpo, aparece na pós-epígrafe, em que o poeta relata seu último uso antes do silêncio total, pela Marinha Francesa. Disto, é possível depreender que Domeneck lança mão de um código caduco e em desuso para dizer aquilo que parece sempre difícil de ser dito; e logo no primeiro poema, que dá título ao livro, vemos a figura quase drummondiana de um sujeito gauche: o morse desse corpo descreve um “bicho malparido”, que se embrenhará nas agruras do dizer e do sentir ao longo das páginas seguintes.

Esse “bicho malparido”, esse corpo morsificado vai, durante o longo poema de abertura, que possui 16 partes, quebrando-se em modos sintáticos. O dizer se torna progressivamente mais rarefeito, de modo a termos algo como: “esse este// corpo/ fabrica/ -se-o// couro/ tece/ -se-o”. Algo nessa composição descritiva do corpo parece perverter os versos-quasi-adágio de Manuel Bandeira, “os corpos se entendem, mas as almas não”. O sinal fechado, o trânsito difícil também se estabelece aqui entre esse corpo pleno de desejos, entre esse corpo político – na acepção mais ampla do termo – e o corpo histórico que, recuperando trechos de sua infância, busca se aninhar naquele quinhão que lhe convém de pátria, de amor e de história.

Ricardo Domeneck tensiona, neste livro, portanto, de modo muito singular, a experiência corporal. Diferente daquilo que poderia se esperar do título, nada aqui é imediatamente apreensível e as imagens, que ora se desdobram em autodepreciação ora em metáforas animalescas, tecem algo de dizível num código caduco, dado a pouquíssimos seres saber. O corpo é uma multiplicidade intraduzível em toda sua organização física e metafísica. E o fio condutor dessa relação é uma metafísica religiosa que passa, na primeira parte, pela figura de Obaluaiê, entidade do candomblé ligada às doenças, às chagas; enquanto na segunda parte, intitulada A senhora Enfermeira, vê-se a criação de uma entidade de cura, a Enfermeira, à qual recorre o poeta a partir da evocação das epígrafes, desta vez todas femininas.

O corpo, então, com seus códigos obscuros, macula-se e cura-se à medida que se autorrenomeia e busca explicar a dor em língua estrangeira a si. É um movimento complexo, afinal de contas, dentro de nossa tradição contemporânea de se ler o corpo. Lê-se, aqui, quase o mistério dos corpos, sem contudo lê-lo. Lê-se não aquilo que de imediato se pode dizer sobre. Lê-se uma tentativa de narrar o externo ao narrável. Lê-se, sobretudo, a madureza de um poeta que conseguiu se despir do falar fácil e aponta, desse modo, a um código ruidoso, ao código ruidoso da vida.

SERGIO MACIEL é poeta, tradutor mestrando em Letras Clássicas e um dos editores da Revista Escamandro.

Publicidade

veja também

Em ‘Sou sua irmã’, Audre Lorde nos traz sua inteireza

Em ‘Lovecraft country’, o monstro é o racismo

Entendendo-se com o formato online de encenar

comentários