Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Curtas

Malakoff Duos

Festival de música instrumental volta ao Recife neste fim de semana com improvisos e parcerias inéditas

TEXTO Paula Mascarenhas

21 de Setembro de 2018

Violonista carioca Guinga é um dos músicos convidados e se apresenta com Spok

Violonista carioca Guinga é um dos músicos convidados e se apresenta com Spok

Foto Manfred Pollert/Divulgação

A rabeca se junta com a gaita, a sanfona se mistura com a flauta e o som do violoncelo se aglutina ao toque do bandolim. Estas múltiplas possibilidades musicais ganham vez no Recife: a cidade recebe mais uma edição do festival Malakoff Duos, evento que une a sonoridade de vários instrumentistas em um único e inédito dueto. Nestes dois últimos finais de semana do mês de setembro, a Torre Malakoff, observatório astronômico do século XIX localizado na Praça do Arsenal, no Bairro do Recife, vai ser o palco desses improvisos musicais. Em sua quinta edição, o festival vai receber músicos virtuosos de várias regiões do país para celebrar a música instrumental popular.

A concepção do Malakoff Duos é da produtora audiovisual recifense Página 21, que trabalha com cinema, literatura e música na cidade. A primeira edição do evento aconteceu em 2010, repetindo o sucesso nos anos posteriores com apresentações no Recife e na cidade de Garanhuns. O retorno do festival, agora em 2018, mantém o mesmo diferencial do projeto, que é não só reunir, em uma única apresentação, dois musicistas que nunca tocaram juntos, mas sobretudo juntar dois instrumentos distintos que expressem uma sonoridade única e imprevisível.

É esse caráter inusitado da música que Amaro Filho, um dos curadores do festival e sócios da Página 21, quer preservar. “Além de valorizar a música instrumental em Pernambuco, o Duos quer trazer esse desafio do improviso para os próprios músicos e também para o público, que vai se encantar com estes encontros sonoros únicos”, comenta. A improvisação é a marca: os instrumentistas que se apresentarão só ensaiam antes do evento e assim, quase na hora, preparam um concerto surpreendente.


O sanfoneiro pernambucano Beto Hortis toca com a viola de Breno Lira. Foto: Divulgação.

Com 24 músicos convidados, entre eles 11 pernambucanos, o Malakoff Duos começa os duetos neste sábado (22/9), se estende para o domingo e para o próximo final de semana (29 e 30/9). Quem abre as apresentações são os pernambucanos Breno Lira com viola e guitarra e Beto Hortis com seu acordeon. Neste mesmo dia, improvisa a dupla inédita formada pelo violonista paulista Alessandro Penezzi e pelo percussionista carioca Bernardo Aguiar.

Além deles, outros grandes nomes da música instrumental nacional e do estado se juntam e trocam novas experiências musicais, como o percussionista Marcos Suzano, que criou a técnica do pandeiro "ao contrário"; o violonista carioca Guinga, que já acompanhou artistas como Clara Nunes, Beth Carvalho e Cartola; e Andrea Ernest, flautista carioca que integra a Orquestra de Música Brasileira. Guinga se apresenta neste domingo (23), ao lado do maestro Spok, em uma combinação mais aguardadas do festival. O baixista Marcos Fm e o pianista Amaro Freitas são alguns dos pernambucanos que também apresentarão seus improvisos sonoros em parceria com outros instrumentistas nestes quatro dias de evento.

Oficinas gratuitas no Paço do Frevo com músicos convidados e o lançamento do livro Se minha banda falasse, do baterista Robertinho Silva, que também se apresenta, também integram a programação cultural do festival, que cobrará uma entrada de R$ 2 como colaboração para o Centro Regional de Ensino e Reabilitação (Center), cujos materiais produzidos pelos pacientes em uma oficina de artes plásticas serão expostos durante o evento musical. Mais informações sobre a programação completa e as duplas improvisadoras do festival Malakoff Duos estão disponíveis na página do Facebook do evento.


PAULA MASCARENHAS é graduada em Letras pela UFBA, estudante de Jornalismo pela UFPE e estagiária da Continente.

Publicidade

veja também

Despretensioso

Che, memórias de um ano secreto

Contraditório: arte, globalização e pertencimento

comentários