Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Portfólio

Escolhas políticas e estéticas

Nas suas criações, Gustavo Silvestre se inspira nas cores, texturas e diversidade da cultura brasileira

TEXTO CHRISTIANE GOMES

01 de Outubro de 2018

Foto Danilo Sorrino/Divulgação

Em sua canção Lamento sertanejo, Gilberto Gil diz que quase não consegue ficar na cidade sem viver contrariado. Em uma interpretação livre da letra dessa música, é possível imaginar uma pessoa cuja origem é o Sertão, e que, ao migrar para a cidade grande, estranha os costumes, os valores e a perspectiva de quem habita um grande centro urbano. Essa toada me veio à mente quando me encontrei com o designer e estilista Gustavo Silvestre, em seu ateliê coletivo na Casa do Povo, em São Paulo.

Conhecido por seu delicado e peculiar trabalho com as teias do crochê, Silvestre é, acima de tudo, um apaixonado pela cultura popular do Brasil, sua identidade e o trabalho manual do povo brasileiro. E essa admiração, mesmo que sutil, é presença permanente em suas criações. Por isso a estranheza em, vivendo há cerca de 15 anos na maior metrópole da América Latina, perceber como a cultura brasileira, principalmente a nordestina, é colocada em escanteio, em benefício da cultura estrangeira, a chamada gringa. Para ele, apesar de São Paulo ser uma cidade que representa o encontro de diversas culturas do Brasil e do exterior, não valoriza o que é genuíno, dando mais espaço e projeção para o que é de fora. Questão que também traz o olhar preconceituoso com que boa parte da elite artística e intelectual enxerga o próprio país.

Ter nascido no Recife o conectou desde cedo com a tradição. Na capital pernambucana, desde criança, conheceu caboclinhos, maracatus e afoxés, fundamentais na construção do seu imaginário artístico. “Em São Paulo, sempre fui muito confrontado pelas minhas escolhas. Beleza de verdade é a identidade brasileira. Não quero reproduzir padrões europeus. São mais de 500 anos dessa história, vamos mudar. Estar aqui é um ato de resistência. Um ato político. Levar uma pedra aqui, outra lá. Quem faz sucesso é quem segue uma linha belga, minimalista. Fiquem com seus belgas, que eu estou aqui com meu xaxado”, defende.

É assinante
da Continente?

Ainda não? Contribua com o jornalismo de qualidade e assine a Continente.

Assine

Compre a edição do mês
por R$ 13

Assine nossa versão digital
para tablets e smartphones
por R$ 42 / ano

Assine a revista impresa
e ganhe a digital
por R$ 150 / ano

Publicidade

veja também

Ecos do colapso

O reencontro de Nick Cave com São Paulo

Evocação

comentários