Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Artigo

“Governo é governo”

TEXTO GILBERTO CLEMENTINO NETO
ILUSTRAÇÕES HALLINA BELTRÃO

01 de Setembro de 2018

 'Vidas secas', de Graciliano Ramos, e 'Luvina', de Juan Rulfo, revelam a despersonalização do Estado na vida comum

'Vidas secas', de Graciliano Ramos, e 'Luvina', de Juan Rulfo, revelam a despersonalização do Estado na vida comum

Ilustração Hallina Beltrão

[conteúdo exclusivo para assinantes | ed. 213 | setembro 2018]

Pode caber à
literatura explicar com humanidade profunda um dos grandes assuntos da vida e da ciência política, quer dizer, o pensamento sobre a verdadeira natureza do Estado e sua matéria sensível ao sujeito comum. Sobre isso, e com acerto, é normal que se pense de primeira na ficção de Franz Kafka (especialmente n’O castelo e n’O processo) como representante máxima dessa relação conflituosa — poder x indivíduo — e, no caso da obra do escritor tcheco, como a expressão mais aguda sobre o que se tornaria a realidade do Estado no século XX.

Ocorre que, por mais precisa que seja a descrição que faz Kafka sobre o Estado moderno, o que encontramos em seus romances é primordialmente a sua face urbana, em processo crescente de industrialização, cujo sentido vertiginoso e dolorosamente impessoal Kafka soube captar.

Na literatura latino-americana, por outro lado, é possível observar em Vidas secas, de Graciliano Ramos, e em Luvina, conto de Juan Rulfo, dois exemplos (assim como outros tantos possíveis) que correspondem ao problema da aparência e da vida apreensível do Estado em sua versão não urbana. Onde em Kafka o problema do Estado está em sua medida ubíqua de irracionalidade, em Graciliano Ramos e em Juan Rulfo, o reflexo do Estado na vida individual de seus personagens está na absoluta distância. Está na sensação do remoto, da indiferença, cuja moldura é preenchida pela rigorosa ação da natureza. Pois, não havendo Estado que o faça, quem organiza os afetos é o clima.

Impõe-se o problema.

É assinante
da Continente?

Ainda não? Contribua com o jornalismo de qualidade e assine a Continente.

Assine

Compre a edição do mês
por R$ 13

Assine nossa versão digital
para tablets e smartphones
por R$ 42 / ano

Assine a revista impresa
e ganhe a digital
por R$ 150 / ano

Publicidade

veja também

Aline Zouvi

Sobre a morte dos filhos

Na rota dos viajantes

comentários