Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Indicações

[EXPOSIÇÃO] Precisão e acaso

TEXTO Revista Continente

01 de Agosto de 2017

'Círculo numérico crescente' (2016). Peças de quebra-cabeças de plástico sobre madeira, 207 x 207 cm

'Círculo numérico crescente' (2016). Peças de quebra-cabeças de plástico sobre madeira, 207 x 207 cm

Foto Reprodução

Desde o fim de julho, o Museu do Estado de Pernambuco está abrigando a mostra Precisão e acaso, do pernambucano José Patrício, com curadoria do carioca Felipe Scovino. Sem realizar uma individual na cidade desde 2006, o artista apresenta cerca de 40 obras relativamente recentes – a maioria inédita no Recife – nas quais explora outros materiais, indo além dos dominós que se tornaram um ícone dentro de sua produção. A exposição, vista pelo curador como uma antologia, ressalta o processo de criação de Patrício, que sempre parte de uma regra, formulando uma espécie de “método”. Mas, apesar dessa precisão, o resultado final é desconhecido, é o acaso.

Publicidade

veja também

“Eu não sabia o que era Carnegie Hall”

Samuca

[DISCO] As palavras voam

comentários