Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Edição #188

Agosto 16

Nesta edição

Moacir Santos

Moacir Santos possui uma das histórias mais improváveis da música brasileira. Órfão de pai e mãe aos três anos de idade, em pleno Sertão pernambucano, desde criança enfrentou – munido de talento, autoconfiança, determinação e vocação para o bem – adversidades, como a pobreza e o preconceito racial. Trabalhou em diversas funções e locais, como a Fábrica da Macaxeira, na Avenida Norte. Quando era mal tratado em um emprego, saía e ia em busca de um outro.

À procura de uma situação melhor, de banda em banda, de cidade em cidade, muitas vezes sem dinheiro, sem instrumento e apenas com a roupa do corpo, circulou por Pernambuco, pelo Nordeste, até chegar ao Rio de Janeiro, onde se tornou o primeiro regente negro da Rádio Nacional, professor da maioria dos músicos da Bossa Nova, autor de trilhas para filmes do Cinema Novo e lançou, em 1965, sua obra-prima, Coisas. Dois anos depois, resolveu tentar a sorte nos Estados Unidos, onde trabalhou como músico, arranjador e professor.

Neste mês, que marca os dez anos da morte do maestro, resgatamos, através de textos da jornalista Débora Nascimento, da biógrafa Andrea Ernest Dias e do músico Sérgio Gaia, o trajeto que Moacir Santos percorreu até se tornar um gigante da música.

Trazemos ainda um especial que põe em foco os museus e seus novos formatos na contemporaneidade. As ações museológicas, hoje, são múltiplas e vão além do conceito tradicional de um espaço conservador, sisudo, distante da realidade, um guardião de obras de valor. Exemplos que fogem a essa conceituação não faltam. Vão desde o Museu da Beira da Linha do Coque, no Recife, que não possui sede e, de forma itinerante, conta o processo de ocupação do bairro, ao Museum of Broken Relationships, na Croácia, que apresenta ao público as memórias de relacionamentos rompidos , enviadas por qualquer um. Inclusive, a chave que compõe a ilustração que abre a matéria é um dos objetos desse museu. Ao lado dela, os seguintes dizeres: “Você falava comigo sobre amor, me dava pequenos presentes todos os dias; esse é apenas um deles. A chave do coração. Você virou minha cabeça; você apenas não queria dormir comigo. Eu só percebi o quanto você me amava agora, depois de você morrer de Aids”. Uma peça de museu.

Leia

Publicidade

Sumário

Molhos

Ingrediente é fundamental na cozinha contemporânea para molhar e acentuar o sabor dos alimentos

Aquarius

Novo filme do diretor Kleber Mendonça Filho, protagonizado por Sônia Braga, estreia em setembro

Ronaldo Correia de Brito

Crônica de um Recife exilado

Fidel Castro

por Mello

Lúcia Nagib

Professora brasileira radicada em Londres sugere um entendimento mais amplo do termo world cinema

Moacir Santos

Pernambucano que viveu durante anos na Califórnia tornou-se um dos maiores compositores do mundo

Moacir Santos Jr.

Numa residência em Pasadena, músico amador e militar reformado mora e preserva o legado paterno

Museus

Instituições do século 21 fogem da imagem de “sisudas” , caracterizando-se como espaços

Museus

García Lorca

Pesquisadores questionam a versão de que os fascistas mataram o poeta

Gilvan Lemos

Cepe Editora relança os dois primeiros romances do autor pernambucano

Puro Lixo

Espetáculo presta homenagem ao grupo Vivencial

Clara Moreira

Desenhista com vasta produção de cartazes para filmes e festivais não usa recursos digitais

Criança Cidadã

Orquestra completa 10 anos com concerto comemorativo e lançamento de CD e DVD

Livros

Narrativas de viagem transportam o leitor a regiões e épocas diferentes sob a ótica do autor

Interatividade

Aplicativos e sites institucionais de museus oferecem meios de aproximar a arte dos internautas