Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Edição #144

Dezembro 12

Nesta edição

Sinfonia

No artigo que escreveu para nossa matéria sobre os 90 anos da radiodifusão no Brasil, a professora da UnB, Nelia R. del Bianco, apresenta dados recentes sobre o perfil de público dessa mídia, que, assim como outras tradicionais, tem o seu futuro questionado. Rádio, como e para quem?

Ela lembra que a chegada de novos meios sempre desestrutura os que já existem, e isso já aconteceu com o rádio e o jornal pela ascensão da TV. Com relação ao fim do rádio, somente os pessimistas não veem o que a história tem apontado: que os antigos permanecem ao lado dos novos, passando por ajustes tecnológicos, formais e conteudísticos.

Mesmo não adotando uma atitude pessimista, precisamos observar a relação atual do público com esse meio. De acordo com apuração da professora, o hábito de ouvir rádio circunscreve 80,3% da população brasileira. “Os índices mais baixos de escuta estão entre jovens de 20 a 29 anos; e, quando acontecem, são pela internet. Enquanto isso, o consumo de AM restringe-se à faixa etária de 45 a 49 anos”, aponta. Formação de ouvintes: um desafio para os que atuam na área.

De sua parte, o jornalista Paulo Carvalho trouxe uma breve história do rádio em Pernambuco e elaborou uma variedade de perfis de radialistas consagrados no estado. Alguns deles mostram-se preocupados com o futuro do veículo e outros percebem na conjunção com a internet um “pulo do gato” .

Gino César, por exemplo, com 60 anos de carreira, decreta: “Nós, radialistas, somos uma classe em extinção. Não há mais nenhuma perspectiva”. Sua opinião está relacionada com a recepção. Na emissora em que trabalha, a Rádio Jornal, mais de 77% da audiência é formada por ouvintes com mais de 35 anos.

Tendo sido funcionário da BBC em Londres, o jornalista e professor Marcelo Abreu escreve sobre a excelência da emissora, que, desde 1922, investe numa programação diversificada, que atrai interessados em boa música, radionovela ou radiojornalismo. A BBC tem sido modelo para a criação de grades de programação e estrutura organizacional de várias emissoras ao redor do mundo. E, hoje, sua presença no ambiente online é significativa. Ao que parece, ela vai ser exemplo de competência por mais tempo.

Leia

Publicidade

Sumário