Clique ao lado para visualizar o sumário da nova CONTINENTE.

Arquivo

André Teixeira

Os esportes e a cidade

TEXTO Ricardo Mello

01 de Outubro de 2011

Imagem contrasta com a teoria de que o golfe é um esporte para ricos

Imagem contrasta com a teoria de que o golfe é um esporte para ricos

Foto Divulgação

A fotografia de esporte exige disparos rápidos, movimentos ágeis de câmera e, normalmente, após os disparos, avalia-se o resultado fotográfico obtido com teleobjetivas longas a mais de 10 frames por segundo. Este ensaio de André Teixeira subverte as regras do jogo e tem em sua essência a desaceleração. A consequência desse modo de fotografar nos leva à reflexão e à percepção de um modo de praticar esportes que vai além do esforço físico.


Fotógrafo cria ilusão de ótica com movimento de esportista. Foto: Divulgação

Acostumamo-nos a ligar os esportes a marcas de sucesso. Essas marcas, normalmente, aparecem recheadas de glamour e são consumidas em alta definição nas TVs, em qualidade extraordinária na impressão em revistas. Mas a fotografia apurada revela o taco de golfe e a leve envergadura que o momento exige. Movimento sutil diante da realidade rasgada.


Treino de boxe em um ringue improvisado sobre laje de uma
favela carioca. Foto: Divulgação

Saltar mais alto do que o Pão de Açúcar passa a ser um objetivo de vida, fruto de um enquadramento em contra-plongée, que faz dialogarem gente e natureza sublime. Uma relação de proporções irreais, que se torna possível na interação do fotógrafo com seu tema.


Crianças observam os elementos da beira-mar. Foto: Divulgação

Correndo o olhar pelo ensaio, chegamos aos detalhes arquitetônicos que recortam a realidade de uma favela carioca. Ao fundo, a estrutura sólida da montanha, que parece testemunhar a luta diária pela sobrevivência do pai que ensina ao filho como crescer e defender seus ideais. Mas essa é uma reflexão pessoal. Certamente, o leitor fará a própria leitura da imagem do homem treinando boxe com o garoto numa laje de uma favela.


Esporte radical, sem proteção, em plena ladeira. Foto: Divulgação

As fotografias não revelam identidade, deixam que o espectador construa o próprio personagem. Essa é a principal experiência que o ensaio promove. Provoca-nos e insiste que façamos a leitura do que vem depois da curva da ladeira serrilhada, percorrida pelo skatista sem luvas, capacete ou qualquer tipo de proteção. Uma forma de “desproteção”, aventura ou apenas diversão. E, então, sentimo-nos imóveis, com os dois garotos que observam o não movimento do que deveria ser tremulante e parecem imaginar como fazer para soltar pipas gigantes. A doce arte do imaginar.


Imagem brinca com a contraluz e a sombra de peladeiro. Foto: Divulgação

Por fim, a bola dominada por duas sombras, uma gerada pela contraluz do homem, e, outra, por sua imagem distorcida no chão de pedras. Parece que uma disputa com a outra a melhor forma de fazer embaixadinhas de chinelos. Olham-se e competem, movimento a movimento, cada uma na sua vez e ao mesmo tempo. Movimentamo-nos pelo ensaio de André Teixeira como se fôssemos personagens de uma peça de seis atos. 

RICARDO MELLO, fotojornalista, editor de imagens multiplataforma do jornal O Globo.

Publicidade

veja também

Hollywood não acredita em lágrimas

O universo plural de Vilém Flusser

Rússia, nome masculino; Recife, palavra feminina

comentários