• Rasheed Araeen e a arte para ver, comer e jogar

    Detalhe da instalação "Opus", de Rasheed Araeen, na Neue Neue Galerie. Foto: Mathias Voelzke/DivulgaçãoDetalhe da instalação "Opus", de Rasheed Araeen, na Neue Neue Galerie. Foto: Mathias Voelzke/Divulgação

    Uma estrutura com mesas de aço e vidro, madeiras e várias cópias da revista
    Third Textintegram a obraThe reading room (em tradução livre, Sala de leitura), do escultor, pintor, escritor e curador Rasheed Araeen. Trata-se de uma obra aparentemente simples, se comparada aos painéis e instalações que ocupam o espaço da Neue Neue Galerie, onde hoje funciona a nova estação dos correios de Kassel. Apesar do caráter pouco monumental da obra em questão, não se deve subestimar a grandeza intelectual e artística de Araeen e a importância daThird Text em um contexto social específico.

    Araeen, que nasceu no Paquistão, em 1935, não só foi um dos nomes a integrar a primeira onda de artistas não europeus a viver na Europa (no seu caso, em Londres),  mas ainda a figura principal na Inglaterra a militar, como editor, escritor e artista, pela inclusão dos artistas do “terceiro mundo” em um imaginário social eminentemente eurocêntrico. Em 1972, integrou o Movimento dos Panteras Negras (apesar de sua origem não ser exatamente negra) e, seis anos depois, fundou o jornalBlack Phoenix, que, em 1989, se transformou na publicaçãoThird Text: Critical Perspectives on Contemporary Art and Culture. Trata-se de uma das principais publicações a articular reflexões sobre arte, pós-colonialismo e pesquisa etnográfica.

    Embora o artista e editor não mais se envolva diretamente com a publicação (hoje, Richard Dyer, professor de Estudos Fílmicos da King’s College, é a pessoa que lida mais diretamente com as diretrizes editoriais da revista), aThird Text ainda segue a orientação principal proposta por Rasheed Araeen de refletir sobre o impacto da globalização nas práticas culturais e sobre a teoria pós-colonialista. Na última edição, por exemplo, é possível encontrar artigos sobre o lugar das mulheres na economia de mercado, o papel do coletivo artístico Gugulective em suas críticas ao neoliberalismo na África pós-Apartheid e a arte de bonecos no Sudeste Asiático pós-internet, festivais e galerias de arte.

    "The reading room" e a "Third Text", por Rasheed Araeen. Foto: Mayara Marques"The reading room" e a "Third Text", por Rasheed Araeen. Foto: Mayara Marques

    É claro que aThird Text é uma publicação bastante intelectualizada, mas ela foge de todo e qualquer academicismo (os textos são autorais e contam, inclusive, com ilustrações), sendo um espaço de reflexão sobre temas que concernem todos aqueles sujeitos cujos corpos e modos de viver fogem da lógica eurocêntrica. Aliás, a revista está com chamada de trabalhos abertas (confira AQUI) e, fazendo um apanhado de suas últimas edições, basicamente não se veem reflexões sobre a arte brasileira.

    Detalhe da revista "Third Text". Foto: Mayara MarquesDetalhe da revista "Third Text". Foto: Mayara Marques

    O IMPÉRIO DO OLHAR
    Mais recentemente, Araeen tem buscado refletir, em obras comoShamiyaana — Food for thought: thought for change, exposta atualmente na documentade Atenas, sobre as relações possíveis de serem estabelecidas com a arte, questionando o contato visual como a única maneira disponível de interação artística. Como disse em breve conversa com a Continente, em Kassel, “a minha principal ideia é tratar a arte dentro da vida cotidiana. Vida cotidiana é jogar, cozinhar, comer e ser. O problema da documenta é que tudo aqui é para ver. No meu trabalho, você pode ver, mas você pode também comer, jogar”.

    Assim, a obra Shamiyaana — Food for thought: thought for change consiste em uma espécie de tenda com estampas geométricas, dentro da qual os visitantes podem se sentar juntos para experimentar uma refeição baseada nas receitas ao redor do mediterrâneo, que foram cozinhadas em colaboração com a ONG grega Organization Earth, cujo propósito é desenvolver o conceito de inteligência social e ambiental através de uma educação experimental e não formal."Shamiyaana",aliás, é o nome das tendas tradicionais de casamentos paquistaneses.

    Araeen em entrevista para a Continente na documenta 14. Foto: Mayara MarquesAraeen em entrevista para a Continente na documenta 14. Foto: Mayara Marques


    Questionando o olhar como único modo de interação artística, as obras mais atuais de Araeen brincam com uma geometria que deve ser moldada e mudada pelo próprio público. No Museu de Arte de São Paulo (Masp), onde esteve no ano passado, Araeen levou cerca de 400 estruturas que poderiam ser desmanteladas e desmontadas pelas pessoas como elas quisessem. A geometria das criações de Araeen também está presente em Kassel, logo ao lado de
    The reading room. Aqui, o olhar também cumpre um papel central, mas é um olhar mais leve e divertido, apesar da postura engagément da documenta.

    *A repórter viajou a Kassel com apoio do Centro Cultural Brasil-Alemanha.